Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Um bom dia, muito triste.

Acordei às 6:10 da manhã. Aquela vozinha conhecida dizia: "Mamy, bom dia, tudo bem? Tá acordada?
Pensei: "agora tô, né....", mas disse, oi, amor, bom dia filha, tá tudo bem Zizi?
- Mã, não tem ônibus, vc me leva trabalhar?
Putz!!!! Aliás, putz duas vezes. Putz para que frio, putz não tem ônibus de novo!!!!
- Mã, acorda, por favor. Eu preciso de você...

Amigos, que tempos são estes que estamos vivendo?
Incendiaram mais ônibus na minha cidade, já são cinco desde quarta feira. Na quarta a noite tiveram coragem de atacar um ônibus que levava deficientes  físicos, por sinal eram crianças que foram colocadas na calçada fria enquanto os marginais incendiavam o ônibus.

Mas continuando a minha manhã...
Levanto correndo, tomo um famoso e saboroso café da Zizi. Arrasto o cabelo pro alto (pentear esta crina sem lavar é crime impossível!!!), prendo (cabelo ruim é igual bandido, ou tá preso ou tá armado), enfio uma calça jeans (eu de calça comprida?? !!!!!, coisas do frio!!!).
Tento me manter acordada. Não dá tempo pro banho (aff!!)
Tiro o carro da garagem, dormindo um pouco... quase ralo a traseira (eu jurava que este portão era maior!!!).

Zizi entra no carro. Vê uma moça descendo para o ponto de ônibus, chama, oferece carona e a moça vem toda feliz e sorridente, agradecendo demais e desejando tanta coisa boa, que acabo me emocionando.

Descemos a rua, olho o ponto de ônibus lotado. Olho pra Zizi, ela conhece aquele meu olhar e me dá um sorriso de aprovação. (Essa é a minha garotinha!!!!!).
Paro o carro e digo: - Vou até a JK, alguém quer carona?
Três mulheres no ponto de ônibus, uma com criança no colo, mais ou menos uns 15 homens. Ainda há gente educada !!! Eles declinam da carona em favor das mulheres. Elas... bem, agradecem e recusam.
Os homens começam, então a se levantarem do chão frio e querem minha carona. Só cabiam dois, entram no carro, felizes da vida.
Nisto vem um ônibus. Lotado. Gente pendurada por todos os lados. Passa direto pelo ponto, não tem como parar.
Vamos embora.
Pelo caminho vejo diversos carros, neles apenas o motorista. Os pontos de ônibus lotados.
Levo meus caronas e minha filha. Trânsito confuso, o percurso curto, acaba sendo longo e demorado.
Volto pra casa pensativa. Frio imenso. Passo pelo ponto de ônibus perto de casa, tá lotado ainda. Entre aquela multidão, reconheço as três mulheres, inclusive a de bebê no colo...
Sinto pena.

O que vi hoje, foram pessoas egoístas em seus carros, sem se importarem com os demais seres humanos que estavam expostos ao frio, que teriam que se aglomerarem em ônibus abarrotados de gente, ou que teriam que transporem longos percursos a pé.
Mas também vi gente soberba, orgulhosa, que recusam a ajuda do próximo.
Que diacho de inversão de valores é está que estamos vivendo?
Eu, Má, ainda tenho carro, ainda tenho condições de levar minha Zizi trabalhar. Mas se eu não pudesse, eu não ia querer que alguém ajudasse a minha filha?
Como alguém pode ir para o seu trabalho e deixar seus semelhantes a mercê da sorte?

Meu bom dia de hoje é cheio de tristeza pela situação que vejo minha linda cidade passando, pelo que vejo meus semelhantes passando.

E penso que se o PCC quer ter poder sobre o governo está agindo muito errado, na minha visão ele está conseguindo a revolta da população, posto que é a sociedade que é atacada. É o povo que está sofrendo.
Os grandes, os poderosos, os corruptos não usam transporte coletivo.
Os filhos deficientes físicos, dos poderosos, tem seus fisioterapeutas particulares que vão em suas casas ou vão até as clínicas levados por seus motoristas particulares, eles não precisam de transporte publico gratuito.
Mexeram com nossas crianças, mexeram com nossas crianças doentes!!!!
Até quando vamos fingir que não está acontecendo nada?
Até quando vamos pegar nossos carros e irmos trabalhar e deixar nossos irmãos nos pontos de ônibus?
Até alguém da sua família ser atingido?
Meu filho já ficou retido na escola por mais de quatro horas porque estava tendo tiroteio na cidade e a diretora não podia liberar os alunos. Só não enlouqueci pq recebi apoio de muitos amigos, inclusive aqui na net. Amigos como Clau Dutra, Kity, Iara Pacini, Lídia, Guida Linhares, Jorge Linhaça, Elisabeth Stefani, Fulvia, Zé Luiz, Maria Eliana, entre tantos outros.
Amigos que fizeram corrente de orações, amigos que ficaram comigo no msn, que me mandaram emails de apoio, enquanto nesta minha cidade enlouquecida, minha mãe tentava voltar pra casa e meu filho passava frio na escola esperando poder sair.

Amigos, vamos orar mais, vamos ser mais humanos, vamos ter mais amor e respeito pelos nossos semelhantes. Vamos fazer isto enquanto ainda podemos. Enquanto ainda temos orgulho deste pais que perde no futebol, que tem uma miséria humana tocante, que é palco da maior palhaçada política, mas ainda é melhor do que muitos paises no mundo.
Eu amo vocês. Que Deus esteja com vocês.
Que nossos próximos bom dias sejam melhores do que o de hoje.
beijuuussss!!!!

Para ver noticias de Sorocaba entre no link: Jornal Cruzeiro do Sul:  http://www.cruzeironet.com.br/

Má Oliveira
Enviado por Má Oliveira em 14/07/2006
Código do texto: T193747
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Má Oliveira
Sorocaba - São Paulo - Brasil, 53 anos
279 textos (14601 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 04:54)
Má Oliveira