Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Criança: “Porque não posso Sorrir?”

I
Criança que faz arte, levanta e parte – vai para marte.
É seu estandarte; a flecha e o bacamarte – um peixinho espadarte.
Alegria reparte e coleciona no encarte – me livra do enfarte.
A felicidade comparte; não quando a tocaste – chora porque a ansiaste.

II
No mundo tem a missão, muita ilusão – um grande coração.
Sofre aflição; foge da agressão – detesta injeção.
Criança alta ou não; no desenho o cascão – sofre o anão.
Sofre opressão; dói o pai na prisão – trilhou a perdição.

III
Muda e sem audição tem aptidão – será um artesão.
Criança com intuição, sofre a intimidação – sangra no arpão.
Dói a luxação, se tomam seu pão – já tem marcas da mutilação.
Sente a judiação; o professor mandão - o pai patrão.

IV
Criança inteligente;  sempre comovente – sabedoria de descendente.
Mesmo doente, sempre contente – é sempre onipotente.
Na vida crescente; não tem contingente é crente – mesmo carente.
De todos confidente; da sabedoria expoente – sua voz é fluente.

V
Criança valente, sentinela vigilante – vidente e saliente.
Pura e inocente, brinca com o pente - gosta de refrigerante.
Na ajuda é assistente; sempre conseqüente - não foge do batente.
Estuda bastante; limpa e escova o dente – com o banho exigente.

VI
Criança que ama o pai, chama quando diz ai – anda e também cai.
No colo sempre vai, pede carinho papai! – também o distrai.
Diz o pai: com anjos sonhai; a benção alcançai! – Oh! anjos cantai!
Mãos; aos céus levantai, olhos; para o alto olhai! - nas nuvens navegai!

VII
Criança desaparecida de todos esquecida – mal vestida.
Diferente e parecida, com saúde e ferida – oh! senhora Aparecida!
Clara e enegrecida, alegre e aborrecida – a queixa é quando ferida.
Entristecida, sem alimento abastecida – com fome dói a barriga.
Feliz pela vida, mas triste por ter nascida – chora sem saída.

VII
Criança parada é mal amada – inocente açoitada.
Que levanta de madrugada, trabalha algemada – fica aleijada.
Do pai a chinelada; do padrasto apalpada – a inocência ultrajada.
Criança acoitada, judiada – pela mãe desrespeitada.
Pela madrasta abusada ou no mundo largada – pelo mau é puxada.

VIII
Infância mal passada, por muitos pisada – no escuro é tragada.
Criança da pesada, molhada, mal olhada – de lado é deixada.
Do lar arrancada, pé na estrada – é longa a caminhada.
Com isca cevada; com droga viciada – na vida tatuada.

IX
Criança feliz; brinca no chafariz –  outras com o giz.
Vou ser atriz, arrumar o nariz – olha os quadris.
Vou ser um Juiz; no sapato verniz – serei bom aprendiz.
Ou embaixatriz; vai! Deus te quis – fica longe dos imbecis.

X
Criança linda, seja bem-vinda – outras, não ainda.
Fique na berlinda; o espelho te blinda – mas não finda.
Os olhos do mundo brinda, mas é cedo ainda – vem minha linda.
Sua infância intervinda; do amor não cinda – mas é cedo ainda.

XI
Criança! seja forte, te desejo sorte – homem deporte.
Pratique esporte; vá até o norte – use o transporte.
Não se importe, as dificuldades recorte – de frente aporte.
Tire o passaporte, nas dores suporte – ferramentas importe.

XII
Criança! virão as dores; mas também as flores – mais tarde amores.
Vem os caçadores, os roedores – cuidado nos bastidores.
Verão os ditadores, fuja dos raptores – a escada dos horrores.
Tem os palpa dores, sobem os elevadores – finalmente os matadores.

XIII
Criança adotada, bem dotada – a mal tratada.
Criança achada, aleijada – pelo mundo abalada.
Criança inventada, pelo frio gelada – sem roupa desnudada.
Expatriada, bombardeada, sem lar pisada – pela dor picada.

XIV
Criança salgada, pela ignorância tapada – na tristeza selada.
Criança violada, do lar tirada – por ser pobre zombada.
Criança da calçada, sem esperança sentada – a zombam de safada.
Criança da beleza cegada, a vida a ela foi negada – pobre desgraçada.

XV
Criança querida, para ela sorri a vida – do conforto embebida.
Nunca teve lombriga, no berço de ouro foi trazida – no conforto parida.
Sem dores acolhida, seus desejos sem medida – seu pai tem uma jazida.
No conforto desmedida, desconhece a dor da vida – cuidado! tem descida.

Epílogo:
Desculpe; também não era o que eu queria.
Pensei fazer um poema feliz para quem lia.
Que tivesse motivo para que ao ler você sorria.
Sobre criança só tem temas que me angustia.
O mundo tem sido muito mau com suas criança.
E em muito poucos rostinhos pode se ver alegria.
Precisamos gritar hoje; para no futuro ver esperança.

Samoel Bianeck
Enviado por Samoel Bianeck em 24/08/2006
Código do texto: T224392
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Samoel Bianeck
Curitiba - Paraná - Brasil
79 textos (7084 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 13:21)
Samoel Bianeck