Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O desabafo em lágrimas

É incompreensível
Não imaginava que algum ser humano fosse capaz de tal crueldade.
Hoje percebi que não é só um.
São vários!
Não é humano, chega a ser desonesto, feio, vergonhoso.
Ter conhecimento e nada fazer.
Largar como um "trapo velho" num quanto qualquer.
Pagar pra alguém encher o "bucho" do outro e tchau.
O "trapo velho" que me refiro são os idosos.
Aquelas crianças que nasceram a alguns anos atrás e que hoje carregam as marcas da experência no rosto.
Aqueles que sorriem quando lembram de um tempo que não volta mais, já foi!
Quando ouvimos o "desabafo" em lágrimas (eu só queria dar um abraço no meu neto, ver a cara do meu filho...) sentimos um aperto no peito, um nó na garganta.
Logo depois das lágrimas vem um sorriso dizendo "Eu canto e danço pra tristeza não me levar".
Sei que muitos estão ali porque seus filhos estão trabalhando, estão viajando...
Mas aquilo não é vida pra ninguém.
Mas ao mesmo tempo pode ser o melhor lugar para alguns.
É um tanto quanto estranho.
Mas em alguns momentos faz sentido.
O problema em si não é o ficar ali(casa de repouso), o problema é o descaso...o desprezo...a falta de consideração.
Esquecem daqueles que um dia suaram a camisa pra colocar o leite em casa, o arroz no prato.
Hoje algumas dessas pessoas não tem mais condição disso.
E vivem perseguindo um sorriso.
Um gesto de carinho.
Ou simplesmente estão esperando a morte chegar.
É triste mas é real.

Hoje somos jovens e ativos.

O futuro amanhã ninguém sabe...

Pensemos nisso.

ps: nem todos são tristes e sofrem a falta da família...mas que grande parte dos internos vive isso na pele.
Thais Campidelli de Freitas
Enviado por Thais Campidelli de Freitas em 21/10/2006
Código do texto: T269976
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Thais Campidelli de Freitas
Campinas - São Paulo - Brasil, 28 anos
32 textos (2950 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 00:04)
Thais Campidelli de Freitas