Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Arte da roda ao chip

Segundo a mitologia, Prometeu roubou dos Deuses o fogo sagrado da inteligência e deu-o aos homens. Esse fogo fez brilhar na alma humana, o sol mágico da arte. O "artista" que da pedra tosca tirou a 1a roda, não sabia que ali se inaugurava uma das maiores revoluções da humanidade; esse mesmo "artista" lançando mão dos elementos da natureza, registra nas paredes das cavernas, as primeiras cenas da dramaturgia humana no grande palco da terra. A arte; que conheceu as trevas do medievo e as cadeias da intolerância, emerge nas luzes da renascença, mostrando ao mundo toda a beleza que o ser humano pode criar. A arte, como um espelho da inquietude humana, faz-se metamorfose ante a metamorfose da História, e num desfile de estilos e técnicas, desembarca no século XX; mostrando que a humanidade que faz as guerras, a escravidão, o egoísmo, a fome, o assassínio da natureza... é a mesma humanidade que: • Nos passos de um balet revela toda a leveza do ser, • na tela vazia imprime a poesia da imagem, • tocando um instrumento desarma o espírito, vestindo as asas da música, • nas telas do cinema e nos palcos do teatro, retrata suas misérias e suas virtudes A arte desconhece fronteiras, línguas, raças ou classes sociais; ela é plural, universal, plena; ela transcende ao tempo que mata o homem mas eterniza sua obra; ela não recua nem mesmo diante da evolução tecnológica, é ela que dá um toque humano à frieza das máquinas, máquinas que sem o fogo da arte, que iluminou o homem da roda tosca ao chip mais poderoso, certamente inexistiriam, como inexistiria o próprio homem que teria sido abortado por sua incapacidade de criar.

Antonio Pereira (Apon)
http://www.aponarte.com.br
Antonio Pereira APON
Enviado por Antonio Pereira APON em 24/10/2006
Reeditado em 14/07/2010
Código do texto: T272144

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (http://www.aponarte.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Antonio Pereira APON
Salvador - Bahia - Brasil, 52 anos
158 textos (33942 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 02:08)
Antonio Pereira APON