Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

sem me deter...

De ti... vê-me a ler e logo a escrever, como se me aquece-se no calor duma chama onde o amor me chama mais na substância que no substantivo que esse é motivo e nem preciso tê-lo se, só de lê-lo, ele sobeja, galga as margens dum rio onde sorrio. Lembrando isto agora rio e conto como é bom correr para a foz quando, levado pela tua voz, procuro a mar... “La mére”, não consigo evitar ter ciúme, inveja, um “sei lá?” em relação ao franceses por terem no francês um mar, o mar no feminino!

de_ti_ve-me a ler

teu folgo é um fogo
que encanta sentir
como chama...

movimento de versos
diversos vivos
divertidos!

Querer que a poesia seja de todos e a todas o feminino caia bem, como acenta quando se consente, na pele e não no papel ou em qualquer virtual suporte. Essa é a sorte que peço para o poema, e, a única dedicatória que dou ao meu desejo!
Francisco Coimbra
Enviado por Francisco Coimbra em 29/08/2005
Código do texto: T46037
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Francisco Coimbra
Portugal
785 textos (310494 leituras)
37 áudios (39566 audições)
1 e-livros (148 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 12:58)
Francisco Coimbra