Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A Intensidade

A Intensidade

Na noite de 14 de novembro de 2005, na cidade de São Sebastião do Paraíso - Mg, reunido com amigos na Chácara da Juliana e do Fabio Henrique, ouvimos de uma querida amiga a seguinte confissão:
- Quando li seus livros, suas poesias, comentei em casa que achava impossível um homem amar tanto uma mulher como você amava a Rose e quando soube o que estava acontecendo indaguei de Deus o do porque de um grande amor durar tão pouco.
Essa confissão levou todos às lágrimas e depois de devidamente refeito consegui dizer a todos que esse amor não durou pouco, durou o tempo certo e o que valeu e vale é a intensidade com que se vive o amor. O amor pode durar um dia, uma semana, um mês, um ano... Se ele for vivido com total intensidade ele durou o tempo ideal. E a minha história de amor com Rose foi vivida com essa intensidade, foi um esgotar-se por completo, não o esgotar-se de cansaço, mas o esgotar-se de transbordar, nós transbordamos de amor um pelo outro, mais ela que eu, reconheço. Se o amor assim não for vivido, a união pode completar bodas de diamantes e mesmo assim seria pouco, pois o amor não se manifestou nas 24 horas do dia a dia, viveu-se pouco ou quase nada desse amor. Houve um acomodamento, uma dominação de um sobre o outro, houve um morar sobre o mesmo teto.
A intensidade de como se vive o amor é medida pela cumplicidade com que se vive esse amor, mais, com a amizade que há entre os dois, pois um dia, se a ventura de juntos chegarem à velhice acontecer, muitas coisas que prendem alguns casais de hoje se esgotam realmente no sentido da palavra, esgotam-se no sentido de “não há mais”, acabou.
Não há mais a juventude física. Não há mais o sexo. Não há mais a saúde. E isso pode ocorrer bem antes da chegada da velhice.
A beleza da lugar as rugas, e roguemos a Deus que fique a juventude de espírito. Não há mais o sexo, aliás, há casais que fazem sexo, há outros que se amam. Não há mais saúde.
Assim, o que manterá o casal unido é a cumplicidade que tiveram, a amizade que cultivaram. Tenho pena de homens velhos que dizem ser a pessoa mais amiga, o companheiro de botequim, de bocha, de futebol... Tenho pena de mulheres velhas que dizem ser a pessoa mais amiga, a companheira do Grupo de Oração, da Escola de Mães, do bingo... Na velhice, a pessoa mais amiga é aquela que nos acompanhou nos momentos alegres e tristes, com ou sem dinheiro, com ou sem saúde, que educou nossos filhos junto conosco.
O amor vivido em intensidade vence as barreiras, ri junto, avança no tempo, faz o tempo, não se prostra, caminha ereto, não se cansa, “mesmo doente é guerreiro”, (Livro de Joel), não subjuga, comunga, e, principalmente, não morre, é eterno.
Valdir Cremasco
Enviado por Valdir Cremasco em 30/08/2007
Código do texto: T631202

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Valdir Cremasco
Campinas - São Paulo - Brasil, 66 anos
213 textos (34222 leituras)
9 áudios (752 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/10/17 18:36)
Valdir Cremasco