Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Aflição

Aflição
Maria da Graça Almeida

Amanheci de casaca, só me faltou o cavanhaque. E o relógio de bolso.
Mas as horas estão aí, correndo às soltas, para quem as quiser ver.
E o que isso importa, se elas correm alienadas?
Respiro ameaças. Transpiro náuseas.
Meu peito mais parece um balão a explodir.
E sei que um dia explodirá, não há quem consiga suportar tanta indagação.
Ah, não sei o que é isso hoje...ou melhor, sei sim, é medo.
Indignação!
Sinto cheiro de sangue.
Posso perceber a perplexidade dançando nos olhos das crianças.
Pressinto os mares em ondas cruéis.
Tenho uma lágrima enroscada no olho. Não seca, nem desce.
Trago um nó na garganta que não desfaço, nem engulo.
Perdão.
maria da graça almeida
Enviado por maria da graça almeida em 13/03/2005
Código do texto: T6506
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
maria da graça almeida
São Paulo - São Paulo - Brasil
248 textos (14650 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 01/10/16 15:54)
maria da graça almeida