Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ANTES QUE AS LUZES SE APAGUEM.





Olha-te (silêncio). Chega-te a ti em profunda intimidade íntima e realiza a mais fascinante viagem. Atenta, pois, para cada detalhe (silêncio).

 A descoberta de ti pode até provocar uma tremenda crise (melhor ainda). Trata-se daquele “Espanto” filosófico imprescindível.

Constatarás um fato: és um ser absolutamente só. Não há saída: ou encaras, impoluto, o árduo desafio de rasgar teus almejados caminhos (a Felicidade não é um fenômeno inexorável)  ou, à semelhança dos fracos, dos covardes, prossegue atado a uma vidinha estéril, a uma existência oca na qual apenas repetirás convicções de outros.

O filósofo me parece certo: “A vida é a de cada qual: cada qual tem de ir vivendo a sua por si só. Nossa dor de dentes nos dói a nós e só a nós. O problema que tenho, a angústia que sinto são meus e, de imediato, só meus. E eu tenho de pensar um pensamento que resolva o problema e cure ou alivie a minha angústia. Eu tenho de decidir a todo instante o que fazer no seguinte, e ninguém pode tomar essa decisão por mim, substituir-me nela”.

Talvez nossa fraqueza consista em crermos exatamente na idéia contrária. Ora, a multidão (com todos os fenômenos que lhe são peculiares) não é o palco para as mais abjetas teatralidades? No fundo, ela  é a mais tenebrosa das utopiazinhas. Nela, o parecer é que de fato importa e daí esse carnaval de mesmices, de vidas artificiais, superficialmente em ordem, de tolos guiando tolos. Sim, eis uma cruel realidade: somos sozinhos.

Só através de uma autêntica viagem ao teu interior é que chegarás ao princípio da vida plena. É neste inefável campo (interior) que as verdades genuínas estão escondidas. O mundo, com seus movimentos (e como os tem) quase sempre não passa de uma periclitante ilusão (sob a ótica do Mestre de Nazaré, jaz no maligno).

Esforça-te, pois, para a tua maior descoberta e prepara-te para mudares o teu mundo. O homem “natural” oscila entre a sinceridade (não é o mesmo que Verdade) e a hipocrisia.


Ary Carlos Moura Cardoso
Enviado por Ary Carlos Moura Cardoso em 23/12/2005
Código do texto: T89870
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Normal.). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Ary Carlos Moura Cardoso
Palmas - Tocantins - Brasil
1002 textos (256298 leituras)
1 áudios (293 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 02/12/16 16:03)
Ary Carlos Moura Cardoso