Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Vivendo significativamente
 
Hoje vivi em estado de coma! Acordei, tomei banho, o café da manhã, falei ao telefone, fui ao trabalho, tive momentos agradáveis com alguns colegas e desagradáveis com outros, fiz uma pausa para o almoço, fui à reunião, voltei para casa, jantei, assisti à novela, conversei assuntos banais com os meus, li páginas de uma revista e fui dormir. Hoje, efetivamente, não vivi.

O sono não vem. Mergulho no oceano das reflexões. De repente, me ocorrem pensamentos que não são exclusivamente meus: o que vim fazer neste pequenino planeta, perdido na imensidão do universo? Qual é a minha missão no mundo? E o meu propósito de vida?

Se listássemos as inúmeras tarefas que executamos e as atitudes que tomamos ao longo de um dia, de um mês, de um, dez, vinte, cinquenta anos, obteríamos uma lista notavelmente extensa. Mas quantas dessas tarefas e atitudes poderiam ser classificadas como realmente significativas? Quantas seriam apenas triviais?

Não é de se espantar que, depois de cinquenta anos vividos trivialmente, despertemos e subitamente nos perguntemos: o que fiz da minha vida?

Viver significativamente implica comprometer-se com uma missão, um propósito de vida. Esse comprometimento manifesta-se principalmente por meio de nossas atitudes positivas e do trabalho responsável que realizamos.

Precisamos saber que nossas atitudes e o trabalho que desempenhamos tanto podem nos conduzir à concretização de um propósito superior quanto nos rebaixar à ínfima condição de escravos de nossa própria incapacidade de decidir e agir. Precisamos saber que deixaremos uma marca positiva ou negativa no mundo - jamais seremos neutros.

Num reino distante, vivia um nobre que sentia prazer na beleza da vida. Certo dia, ele contratou um humilde lavrador para ficar no castelo e andar de um lado para o outro com uma enxada na mão, como se estivesse no campo. O nobre sentia imenso prazer ao ver a elegância simples do lavrador andando para lá e para cá e lhe pagava muito bem pelo "trabalho". Mesmo assim, após distrair o nobre durante vários dias, o lavrador recusou-se a continuar.

— Mas eu lhe pago com generosidade. Muitas vezes mais do que você ganharia se trabalhasse no campo. E quase não precisa fazer esforço algum — disse o nobre, surpreso.

— O senhor não parece entender — replicou o lavrador. — Não posso continuar fazendo algo que nada produz, mesmo que não exija trabalho e nem esforço. Prefiro trabalhar arduamente e ser produtivo a ser bem pago para fazer algo que não dá frutos.


Vivendo significativamente, seremos construtores de um mundo melhor.

Fonte: Orvalho para a alma - Litteris Editora - RJ
Maria Aparecida Giacomini Dóro
Enviado por Maria Aparecida Giacomini Dóro em 28/12/2005
Reeditado em 29/12/2015
Código do texto: T91248
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Maria Aparecida Giacomini Dóro). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre a autora
Maria Aparecida Giacomini Dóro
Bituruna - Paraná - Brasil
447 textos (130448 leituras)
53 e-livros (13699 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 14:55)
Maria Aparecida Giacomini Dóro

Site do Escritor