Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

SAUDAR A VIDA: ESTE O SEGREDO

Precioso Nelson Corrêa, estimado amigo e talentoso artista da palavra!

Saúde, paz e prosperidade!

Algo é certo: uma das coisas boas do que me aconteceu nos quase sessenta dias de Brasil do Norte e Nordeste foi te haver conhecido, logo na cidade em que mais me encontrei como pessoa, a partir do clima, a arborização das ruas e sua gente formosa, alegre, exuberante de vida e amor.

Belém do Pará foi isto: encontro espiritual no meio de tanta saudade acumulada, mesmo que em tempo de Natal, longe de minha querência, de meu bem-querer, dos afetos cotidianos.

O amor de vocês para comigo supriu, encantou-me, me fez penhorado à nossa nação continental. Um gaúcho repontando uma tropilha de desejos de pátria amada!

Imagino e anseio poder estar de novo no chão amoroso da Amazônia, degustar o sabor de frutos do mundo animal provindos de terra, de rios e mares, borrifados de molhos aromáticos, cheirosos de tucupi e outras especiarias; suado, gelado (por dentro) pelo açaí, cupuaçu, murici.

Os olhos estatelados no Teatro da Paz, burlando a consciência só pra não me pegarem beijando as estátuas de Érato, Melpômene e as outras cinco musas que habitam a fachada do edifício tropical da estrela-guia espiritual do apogeu da borracha.

Que outra maneira de agradecer aos deuses e aos bons ventos da Arte, se não lembrar, saudoso, a Izarina, a Ádina, a Lana, a Noêmia e esta figura matriarcal, poderosa, que é a Lucy Mourão?

Meu amigo: vês que estou em tua pessoa pela saudade, pelo talento, pelos afetos trocados no entorno dos poemas, pelo espiritual?

Como tolher qualquer coisa que me trouxesse à memória o prazer?

Sou-te grato por mais esta notícia, pelas tuas intenções de saudar a vida com a tua oralidade, logo em cima de meu texto, um mero discurso fúnebre em que abri o coração pra homenagear a memória de um poeta que partia com sua carga de misérias.

Faze bonito, poetamigo, com a minha despretensiosa arte coracional, pulsante de entrega ao mistério do outro.

Se te fizer bem, respingará em mim como a gotícula da aspersão da extrema-unção de Deus pela mão do sacerdote. (Não é por outra razão que o Mario Quintana legou a rogatória: da vez primeira que me assassinaram perdi este jeito de sorrir que eu tinha...).

O espírito que me habita também se fará feliz, porque tenho a impressão de que quando se quer agradar o semelhante com a oralização do verso, Deus está mais próximo de nós pelo Verbo, pela Verdade. Porque estamos nele e ele em nós.

O verbo sacraliza e obriga ao exercício da verdade.

Faze o que te aprouver com os vocábulos de meu texto de oratória fúnebre a que chamei A MORTE ESCOLHE ALGUÉM PRA FALAR. Junta e rejunta palavras com o brilho de tua voz, de tua interpretação, de teu estro poderoso. É esta a argamassa do edifício estético.

A vida seguirá plena em sua trajetória, o bem e mal sempre estarão juntos, no limbo dos desejos, mas, enquanto um homem ou mulher abrir a boca pra falar sobre o Imprevisto, o insondável da alma humana vai continuar a criar o Belo.

Não era esta a Beleza que o meu verso eventual e a minha prosa desejavam quando nossa voz se despedia do homenageado, poeta Antonio Irajá Becker, cujo corpo me olhava à porta do crematório?

Mas era apenas a sua carcaça. Seu espírito sorria de pena dos que ficavam e uma que outra dor em seu coração morto falava da saudade que sentiria dos que ora lhe davam o aceno de despedida.

E se isto se prolonga em tua voz, seja em que palco for, o espírito maior dirá que a perenidade chegou com sua imensa carga de amor.

Muito sucesso na interpretação do texto. Todos os espíritos já batem palmas e começo a imaginar que não foi em vão quando a emoção e o choro falaram por minha verve. Ainda há tempo pra bater palmas e saudar a irmã Fraternidade!

A posteridade se faz presente pelo milagre da morte, porque a estrada é infinita. Deus guarde o teu imenso talento e abençoe nossas loucuras.

Fica o escárnio para os que nada fazem, mesmo que aparentemente estejam vivos.


- Do livro, inédito, BULA DE REMÉDIO, 2004/2006.

Joaquim Moncks
Enviado por Joaquim Moncks em 01/04/2006
Reeditado em 01/04/2006
Código do texto: T131881
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Joaquim Moncks). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Joaquim Moncks
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 70 anos
2581 textos (709761 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 09:25)
Joaquim Moncks