Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ASSOCIATIVISMO: O CHOQUE DE LIDERANÇAS

(a Leinecy Pereira Dorneles, em Cassino, Rio Grande/RS)

Saúde. Paz. Fraternidade. Muito entendimento familiar, para que isto possa se estender ao plano das relações pessoais, no associativismo.

Reitero que não venha a ser motivo de preocupação o tal lançamento do livro de poemas na tua cidade.  Não há necessidade de que ele ocorra. Agora ou posteriormente. É plenamente dispensável, na verdade. O autografante precisa perceber se há ruídos na comunicação entre as lideranças locais.

É necessário avaliar se o pedido de espaço para fazer um lançamento de livro, na comunidade, atende aos critérios de conveniência e de oportunidade. Trazer um livro à luz é sempre conveniente, mas nem sempre é o momento de tal ocorrer. Às vezes tem de se dar tempo ao tempo.

Um lançamento de livro é visto pela mediania como um evento de brilho para o seu autor, porque a mediocracia somente vê os eventuais e efêmeros 'brilhos, honrarias e homenagens'.

Dificilmente a mediania se abre para o fato de que um ato de autografação de uma obra é um espaço para o brilho da entidade, quando o autor provém do associativismo literário. A entidade vai ser posta na vitrina pública por obra de seu produto final: o livro.

Quase todos aqueles que militam na área de criação literária sabem que é necessário o enfoque específico de jornais, emissoras de rádio e de TV para pôr em evidência a sessão de autógrafos. O objetivo tem de ficar inconfundível: mostrar o livro para que se logre êxito nas vendas.

Acontece que muitas pessoas não se apercebem de sua subserviência à mídia, principalmente os autores novatos e inexperientes dirigentes da área de divulgação das entidades culturais.

O lançamento de um livro é uma maneira de congraçar os associados. Por isso a necessidade de editar coletâneas, obras coletivas que unam o grupo de “diletantes literários” em torno de uma tarefa, os quais acabam envolvidos com a responsabilidade de produção de obra coletiva.  Os diletantes citados são aqueles que ainda não são escritores, mas se entendem como tais e não abrem mão de ‘estarem famosos’.

A edição de livros, no Brasil, é sempre coisa que demanda muito dinheiro. Aqui não há editores dispostos a fazer o investimento inicial: apresentar um autor novato aos leitores. Se este é autor de poemas, muito mais difícil de que haja interesse dos editores. Estes só apostam no retorno financeiro. Isto quer dizer: autor novato não venderá o seu livrinho no balcão da livraria porque ninguém o conhece!

No caso de publicações, quem aparece é o pequeno grupo de editoração da obra, prêmio pelo seu ativismo, denodo e empenho para poder vencer as adversidades que sempre ocorrem nesta empreitada, cujos custos são normalmente vultosos.

Mas o medíocre se acha o dono deste eventual enfoque societário. Confunde o “nós” com o ego. E procura tirar proveito da situação que o coloca eventualmente na vitrina aos olhos da comunidade. Confunde-se e prejudica a sua entidade, semeando a discórdia no seio da associação. Ninguém quer perder espaço de mídia, de brilho junto à sua comunidade. Esta é regra observável em toda a dinâmica associativo-cultural.

Não se discute o mercado para o livro e, sim, se trata de buscar brilho pessoal, e se acaba fomentando a “fogueira das vaidades” existente em todas as ações onde se trabalha muito e se ganha muito pouco. Nestes casos, o balanço de bens é sempre desfavorável, no plano material.

Isto ocorre muito comumente no seio da comunidade escolar, envolvendo autores que ganham a vida como professores do ensino público, reconhecidamente mal pagos pelo governo.

É preciso que o promotor do ato de apresentação de livro tenha em conta de que não é o eventual brilho de quem quer chamar a atenção de sua escola ou comunidade e sim o reflexo natural das ações do dirigente que sabe que está fazendo a história associativo-literária de seu povo, da gente de sua terra natal, principalmente nas pequenas cidades.

As visitas de cortesia da coordenação da POEBRAS NACIONAL têm a destinação de discutir o serviço feito e preparar o caminho para a administração futura. Também para estimular a criação de projetos peculiares, específicos para a comunidade local.

Como os grupos envelhecem, criando vícios de fazer tais ou quais ações “assim ou assado”, a discussão traz novas luzes.  Daí sobrevirão novas orientações, principalmente quando há troca de dirigentes nas unidades associativas. É a falação em busca de possíveis ações do novo grupo chegado ao poder.

É sempre assim, "quem foi ao ar perdeu o lugar", diz a sabedoria  retratada no refrão popular. A liderança substituída não aceita bem o retorno da antiga, no caso de diretorias lideradas por ativistas que já estiveram preeminentes em executivas anteriores.

Aliás, se há problemas locais, melhor resolvê-los com o tempo que se fizer necessário. Um livro a ser lançado não pode atravancar a discussão da própria entidade. Arre! Sempre as vaidades!

Acho que teremos de enfrentar e execução de “Oficinas de Criação Poética”, pra que possamos crescer enquanto “grupo”, se não seguirá a mesmice de sempre.

Aquela que ocorre quando as lideranças não se renovam.

– Do livro CONFESSIONÁRIO – Diálogos entre a Prosa e a Poesia, 2006.
http://www.recantodasletras.com.br/mensagensdeamizade/134549
Joaquim Moncks
Enviado por Joaquim Moncks em 06/04/2006
Reeditado em 15/09/2008
Código do texto: T134549
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Joaquim Moncks). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Joaquim Moncks
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 70 anos
2581 textos (709719 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 20:16)
Joaquim Moncks