Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

JUTÂMI E A MORTE

Jorge Linhaça
26/09/2006

Jutâmi e o mestre caminhavam, quando viram um cortejo fúnebre que passava.
Atrás do esquife, seguiam os familiares, chorosos,
pranteando compulsivamente o ente querido que falecera.
Jutâmi ouvia atentamente o que as pessoas falavam:
-O que será de nós agora? Como podermos conviver com a ausência dele?
- Não posso aceitar essa partida !
Jutâmi perguntou ao mestre:
- Mestre, por que a morte é sempre tão dolorosa para os que ficam?
O mestre respondeu:
- Jutâmi, a morte é dolorosa aos que ficam, por que as pessoas não entendem o significado da vida.
O tempo que passamos nesta esfera mortal, é apenas o tempo exigido para o nosso aprendizado, e para ajudarmos outros a evoluírem.
Cada ser vivo, tem uma ampulheta a contar o tempo de sua existência, algumas ampulhetas contam minutos, outras contam horas, outras anos ou décadas.
Cada grão de areia que escoa pela ampulheta, é o tempo que se esvai da alma do homem.
Mas - mestre- interrompeu Jutâmi, depois da morte... o que nos resta?
- Jutâmi, a morte não é fim da vida, a morte é a libertação do corpo físico, perecendo o corpo, o espírito permanece vivo, em outra esfera, e continua lá o seu aprendizado. Liberto das correntes da mortalidade, o espírito pode enfim refletir sobre suas ações aqui nesta terra, claro que existe um período de adaptação, mas o espírito, quanto mais luz possui, mais fácil se adapta às circunstâncias, e lá, como aqui, exerce o seu mister de fortalecer aos mais fracos, lá, como aqui, encontra entes queridos que já partiram e se regozija nesse encontro.
A morte não é um final, é um reinício, é um degrau galgado na evolução do ser.
Quando o homem compreender isso, deixará de prantear em desespero, e as únicas lágrimas que brotarão de seus olhos, serão lágrimas de saudade, mas lágrimas nas quais estará embutida a esperança de um reencontro, nos seu próprio e devido tempo.
O criador é pai amoroso que jamais permitiria a separação eterna dos nossos entes amados. Assim como nesta vida recebemos o apoio de nossos entes queridos, encontraremos esse apoio na outra esfera de nossa existência.
Jutâmi calou-se e de seus olhos brotaram cristalinas lágrimas de gratidão ao Criador, por seu plano de evolução espiritual.

Que hoje, assim como Jutâmi, cada um de nós possa olhar para dentro se si mesmo e compreender o que ele compreendeu.
abraços fraternos
Jorge Linhaça
Jorge Linhaça
Enviado por Jorge Linhaça em 26/09/2006
Reeditado em 26/04/2012
Código do texto: T250190
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para a obra original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Jorge Linhaça
Salvador - Bahia - Brasil, 55 anos
3723 textos (711315 leituras)
95 áudios (13093 audições)
1 e-livros (277 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 00:50)
Jorge Linhaça