Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

HERANÇAS E TATUAGENS

(para a mulher que me concedeu o hálito de viver)

Pus na fístula social que me engole luto bravamente. Da mesma forma que meus pais já o fizeram. Com garra. Sem medo, sempre acreditando no Homem, no amigo que fica no Tempo. De calças curtas, da bola de meia, do velho Pepino, o rio da infância onde eu pegava caranguejos.

Dos gritos fortes de ti, pai, lembrando a hora do estudo: o grito da compostura, chamado à ordem, à sociabilidade, quando havia desentendimentos durante a pelada no campinho de futebol de defronte, onde tudo se dava, desde pontapés, empurrões, jogadas viris, beijos e abraços na hora do gol, e a discussão que se seguia, quando a bola derrubava a lata de azeite, goleiras do mundo da infância, de onde nascemos e ficamos, como se a goleira tivesse a forma de um grande coração ou uma enorme raquete que nos empurrasse para a frente, para a vida, alhures!

Onde meus amigos? Onde a explosão do gol, a troca de socos, meus moços pais vendo os filhos de longe, sentados na frente da casa, os pequenos brincando na areia. Castelos, minas, o carrascal de carrapichos: esconderijos
onde guardávamos os ferozes instrumentos de guerra.

Ah, a guerra! Nunca se viu morrer um soldado da infância!

Feridos, sim: a pedra na testa, o supercílio sangrando, o abraço, a descompostura, um temor sem medo que ficava soando como um sino que anuncia um casamento!

E vinha o castigo: olhar pela fresta da janela os outros manos brincando, até que um deles brigava e surgia o álibi do socorro: – Estavam se matando!

E a gente ficava ali, transitando no pátio da infância, esperando e rogando que o bigode do velho não estivesse torcido e se pudesse sair pelos portões do castigo, que davam para o mundo dos folguedos, do convívio com outros meninos e meninas.

Portões que para os mais velhos se abriam ao imaginário do antes e do depois.

E minha mãe sentada, cantarolava ao final da tarde uma canção dolente, amamentando o pequenino mano, enquanto no seu ventre cheio de amor novamente esperneava o sangue da vida.

E na tarde finda, os balões de junho corriam no céu como pirilampos de verão.

- Publicado originalmente em formato de poema, no livreto O EU APRISIONADO. Porto Alegre: EditorArt – RB Editor, 1986, 28 p.
http://www.recantodasletras.com.br/mensagensdeamor/121137
Joaquim Moncks
Enviado por Joaquim Moncks em 10/03/2006
Reeditado em 03/06/2009
Código do texto: T121137
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Joaquim Moncks). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Joaquim Moncks
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 70 anos
2581 textos (709694 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 15:59)
Joaquim Moncks