Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto


NEU* em campanha contra o preconceito


Lançou
Sementes
Na década de 90!

Colheu frutos...
Hoje, mais sementes...
Buscam solos mais férteis!

Desafios antigos e novos...

Perseverar é preciso!


*Núcleo Espírita Universitário



As Epidemias (1990) e essas Pobres Crianças

   Dr. Luiz Carlos D. Formiga
 
A lágrima mais sentida é a do órfão desvalido. (Anália Franco)
 
"JR é hemofílico. Contundiu-se em um jogo de futebol. Pai analfabeto, desempregado (como outros 16 milhões de brasileiros) não tem recursos para a medicação indicada. JR foi ao hemocentro que atende hemofílicos. O longo tempo de internamento deixou-o nervoso. O "stress" prejudica o processo de coagulação. JR piorou, a ponto de sangrar em vários pontos do corpo. Os cuidados de enfermagem tiveram que ser constantes.
JR também está infectado pelo vírus da AIDS. Isolado, sozinho e com saudades passou a ter comportamento difícil, recusando a medicação, grita com médicos e enfermeiras. Tornou-se problema. No entanto, JR não é um paciente problema. É uma criança que está sofrendo, que quer levar uma vida normal, ir para casa e brincar. JR não sabe que tem AIDS. Seu estado emocional não permite que seja informado. Se ele não entende por que tem hemofilia, como explicar-lhe por que tem AIDS? JR tem apenas 11 anos."
O mundo, segundo a OMS, tem um milhão de casos sintomáticos e de 8 a 10 milhões de portadores da doença. Até o fim do século haverá 10 milhões de adultos com Aids, sendo 90% deles em países do terceiro mundo (50% na África, 50% na Ásia e Américalatina), onde a Aids pode matar um milhão de pessoas. Será epidemia heterossexual, diz a OMS, com número igual de homens e mulheres contaminados.  Há 19118 casos registrados no Brasil (junho de 91) segundo o Ministério da Saúde. Para 95 preve-se mais de 90 mil. Dados da OMS indicam que 50% dos casos registrados no mundo são em pacientes com menos de 25 anos de idade, que provavelmente contraíram o vírus entre 15 e 19 anos.
A doença atinge todas as classes sociais afetando não apenas a saúde física. Nesta situação é que percebemos quanto somos frágeis, dependentes e quanto, não nos conhecemos. A rejeição, a desconfiança e a solidão desequilibram a vida afetiva. O estigma impossibilita o exercício pleno dos direitos humanos básicos. O que acontece quando estamos diante de uma criança?
Em Recife, a maioria da população de hemofílicos era composta por crianças de zero a 14 anos (49%) e jovens entre 15 e 20 anos (13%). Isto se repete no resto do país. Menores abandonados e carentes eram 7 milhões em 1985 (dados Funabem). Iniciavam atividades sexuais entre 7 e 8 anos. Praticavam prostituição, entre 11 e 15 anos, 500 mil meninos e meninas.
E os bebês com pais que apresentam comportamentos de riscos?
A contaminação perinatal aumenta anualmente. Diz o congresso Internacional sobre AIDS, junho de 1989, no Canadá:" a vacina ou uma droga eficaz ainda são remotas."
As crianças podem ser realmente chamadas de vítimas da AIDS.
O que significa para uma criança ser portadora do vírus?
Os sentimentos de choque, culpa, negação, medo, raiva, tristeza, barganha, aceitação e resignação identificados, pela médica Kubler Ross, em adultos não se aplicam ao caso das crianças.
Esta médica conhecida por trabalhar mais de 20 anos com pacientes de difícil recuperação, lhes oferece a preciosa oportunidade de vivenciar e trabalhar seus reais sentimentos diante da vida e do fenômeno a que chamamos morte. Diz a médica:" sentimos que estes encontros são sua última chance de colocar a casa em ordem e estabelecer a paz  com quem ainda possam ter algum desentendimento."
A morte é, para o adulto, um verdadeiro tabu. É situação que todos vamos vivenciar e deixamos sempre para pensar depois.
A noção de morte é nebulosa no universo infantil. Para elas o que é assustador é a reação dos adultos à sua volta. A saúde depende também de um ambiente físico, emocional e espiritual equilibrado. Quando o adulto não sabe o que fazer a criança se sente perdida e sua saúde é abalada.
Depois de passar por todas as fases descritas pela médica Kubler Ross a mãe que perdeu uma criança com 9 meses nos ofereceu o seguinte depoimento: " porém G. teimava em continuar viva, sobrevivendo além do tempo que calculavam que pudesse resistir. Era uma agonia para mim vê-la lutar pelas lufadas de ar. Então, apanhei-a nos braços e conversei com ela, dizendo-lhe que ficaríamos alí sentadas juntas até que partisse.  Uma hora e meia se passou e senti finalmente que ala ia embora, senti que deixava de lutar.  Cinco minutos depois deu seu último suspiro... vi sua alma subir, flutuando rumo à janela do outro lado do quarto, e senti que ela estava livre... livre enfim da dor e do sofrimento.
Não sei porque nos ensinam a ver a morte de forma tão perturbada e assustadora. Naquela noite de setembro em que G. morreu, senti a morte como um processo mais do que natural e, de certa forma, tranqüilo. Pareceu-me que quando deixei de resistir, rendendo-me a ordem natural das coisas, meu bebê pôde fazer o mesmo. Senti que a estava ajudando a se libertar do corpo, à qual aprendera a se apegar em apenas nove meses.

Esse exemplo deveria ser seguido por uma boa parte de pessoas que continuam, mesmo diante das inúmeras dores anginosas, dizendo: " Chico você não pode desencarnar, não saberíamos viver sem você".
Outro paciente muito definhado fez uma pergunta sobre a morte e a dra Ross deu-lhe uma borboleta que é o símbolo da nossa transição. Explicou-lhe que apenas deixamos o corpo físico: " a alma parte, continuamos a viver depois do que chamamos morte ". Creio que a médica, não espírita, passou a adotar essa postura depois que uma paciente voltou para lhe agradecer os carinhos que dela recebera no momento da sua "desencarnação".
Hoje a médica aconselha a seus pacientes que aceitem essa eventualidade e que viva o máximo e da melhor forma que puder. Um de seus pacientes comentou: " Minha mais fervorosa esperança é de que eu tenha sido útil de alguma maneira. De que minha vida não tenha sido simplesmente um "vazio" como chegou a ser. Tive mais vida e experiência nos últimos seis meses do que em todos os anos anteriores. É urgente que tomemos consciência do nosso papel pessoal e social frente a esta epidemia".
A contaminação pelo vírus foi confirmada em 62% dos 1289 hemofílicos brasileiros que fizeram o teste. Três quartos dessa população é de crianças e adolescentes. É muito duro saber que o contágio pode ocorrer através do medicamento de que necessitam para sobreviver.
O que fazer diante do crescimento assustador da população de menores carentes e abandonados que podem ser encontrados em qualquer cruzamento de rua?
Vivem desde cedo em um ambiente hostil, em contato direto com a marginalidade. Não existem barreiras para o uso de drogas e iniciação precoce da vida sexual. Como afastá-los do risco de contaminação que aumenta significativamente? Como não marginalizá-los ainda mais a partir da infecção?
Um bebê infectado é uma criança órfã em potencial. Os pais infectados poderão desenvolver a síndrome fatal.
Até julho de 1986, 321 casos de Aids em crianças norte-americanas, com menos de 13 anos de idade, tinham sido registrados. Mais de 60% dessas crianças haviam morrido. A doença resultou de infecção durante a gravidez, ou o parto, em cerca de três quartos dessas crianças. A maioria das outras crianças adquiriu a infecção pelo HIV através de transfusões. As transfusões de sangue parecem apresentar um risco maior para bebês do que para outros. Isto pode ocorrer porque os sistemas imunológicos dos bebês são imaturos, recebem uma dose maior do vírus em relação ao tamanho do seu corpo ou porque pode haver um período de incubação da doença mais curto.
Para alguém que é muito jovem e está tentando entender o mundo é frustrante descobrir que viver pode ser algo tão doloroso e sem esperanças. A rotina social diária de um doente é diferente da de alguém saudável. Para uma criança esta diferença é desproporcional e inaceitável. Ela precisa se identificar com seus pares, com a família e com os grupos sociais para se sentir segura.
Vivemos num país onde se implanta marcapasso cardíaco em miocardite diftérica, doença da era colonial americana, prevenida por vacinação. Temos tido surtos epidêmicos em diversos estados brasileiros e nem os do sul puderam escapar. E o mais preocupante é saber que a incidência foi semelhante entre vacinados e não vacinados. Em se tratando da AIDS a melhor vacina no momento é a informação.
Os serviços de saúde estão preparados para enfrentar este desafio? A carga emocional, é muito pesada para os profissionais de saúde, principalmente quando se trata de crianças. A atuação dos profissionais de saúde mental é muito importante até junto aos colegas de profissão. (Nesta hora é que uma boa doutrina filosófica tem o seu lugar).  As universidades e os hospitais tem preparado adequadamente os profissionais para este tipo de questão?
O treinamento de um exército de voluntários é essencial, diz a dra Ross, "a quantidade de doentes necessitados e de famílias de pacientes da Aids aumentará sobremaneira. Nossos hospitais não terão capacidade de tratar de todos eles (isto na América do Norte), e, além disso, devem ser utilizados apenas para tratamento médico ativo, diagnósticos e emergências. Poderemos nos tornar extremamente vulneráveis às doenças, e ainda mais assustados, quando a quantidade de doentes passar de um milhão. Poderemos ainda fazer opções baseadas no amor, principiando a nos tratar para podermos servir aos que estão  agora com Aids ou outras enfermidades, manifestando carinho e compreensão para enfim aprender, antes que seja tarde, a lição derradeira, a lição do amor incondicional".
Não podemos esquecer que a sociedade tende a encarar a doença como uma metáfora, uma alegoria moral do pecado e punição.
No entanto, na língua inglesa a palavra AID significa ajuda. Qual a razão da coincidência? Não importa.  A AIDS conduz à introspecção. Mas nos obriga também a olhar o próximo. "E quem é o meu próximo Senhor?" Foi aí que Ele narrou a mais bela das parábolas.  "Um homem que descia de Jerusalém para Jericó..."
Qual a atitude do Samaritano (na época estigmatizado)? "Um sacerdote, descendo pelo mesmo caminho, o viu e passou adiante. Um levita, que também veio àquele lugar, tendo-o observado, passou igualmente. - Mas, um samaritano que viajava, chegando ao lugar onde jazia aquele homem e tendo-o visto, foi tocado de compaixão. - aproximou-se dele e ..."
De que forma ajudar?
Nos estatutos do Movimento de Reintegração do Hanseniano - MORHAN ou do Grupo Educar para Erradicar Hanseníase - GEPEH, vamos encontrar sugestões como reivindicar, bem como contribuir para elaboração de programas adequados de prevenção, diagnóstico, tratamento, informação e educação do paciente e da sociedade. Importante desenvolver trabalhos educativos que visem esclarecimentos, educação e conscientização do doente, família e comunidade, através os meios de comunicação em geral. Na medida de suas possibilidades editar livros, jornais, revistas, boletins, materiais didáticos, cartazes, impressos de qualquer natureza e cursos.  Já sabemos como agir, agora só falta esquecer que a sociedade é algo abstrato e perder a sensação de que não fazemos parte dela. "Agora é ação." É preciso LUTAR, RESISTIR, REAGIR. " Quem é o meu próximo Senhor?"
Diferente daquilo que disse o Jobim, o Tom, a saída nesta hora não pode ser o aeroporto do Galeão.
 

http://www.terraespiritual.locaweb.com.br/espiritismo/artigo851.html

Fonte:Jornal Espírita, FEESP, SP, em dezembro de 1991.  Do Livro "Dores, Valores, Tabus e Preconceitos". CELD Editora, RJ. RJ. 1996 (Esgotado).
 
Imagem - Google

Juli Lima
Enviado por Juli Lima em 27/11/2009
Reeditado em 09/01/2010
Código do texto: T1946681
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Cite o nome do autor). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre a autora
Juli Lima
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
9408 textos (1386380 leituras)
70 áudios (40448 audições)
10 e-livros (17306 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/08/17 13:06)
Juli Lima

Site do Escritor