Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

QUANDO O AMOR MUDA

O tempo por vezes causa mudanças
na alma das pessoas... e isso pode
influir nos relacionamentos...
Osculos e amplexos,
Marcial

QUANDO O AMOR MUDA
Marcial Salaverry

Interessantes são as mudanças que ocorrem durante um relacionamento.
Parece que o amor vai se modificando à medida que o tempo vai passando, quando na verdade o que acontece é que a maneira de se expressar, e viver esse amor é que vai mudando, e é preciso estar preparado para tais mudanças, a fim de evitar certas reações traumáticas, que inclusive podem terminar com o relacionamento, embora os parceiros ainda se amem.
Um dos pontos mais nevrálgicos nessa questão de mudança comportamental, refere-se justamente ao interesse sexual, tido e havido como o ponto primordial em um relacionamento afetivo.
É preciso saber analisar bem a questão. É importante que se entenda que o interesse sexual não pode permanecer imutável e imexível todo o tempo, pois é uma questão orgânica inclusive.
E uma eventual diminuição do interesse sexual não poderá ser apontada como fim do amor, mas apenas como um arrefecimento do tesão. Jamais como seu fim. Pode até ser, mas sempre é preciso dialogar, e buscar os porquês, antes de decisões drásticas.
Existem diversas causas que agem como fatores inibidores para a saudável prática do sexo entre os amantes, e a própria rotina da vida é um deles. Sempre a mesma coisa acaba cansando, e por isso é importante saber inovar, usar de alguma criatividade para impedir a mesmice do cotidiano, que sempre irá causar algum desgaste.
Contudo, existem outros fatores que podem estremecer um relacionamento, e um deles pode ser uma mágoa muito funda provocada por alguma discussão, ou por alguma atitude que não seja bem compreendida.
Nesse caso, é bom refletir um pouco, para entender o que houve com esse amor, pois se dele apenas restarem mágoas, é porque o amor não era amor de verdade. Mas mesmo nesse caso, deve haver o diálogo, para que não fiquem ressentimentos, que possam transformar em inimizade o que antes foi um amor cheio de carinho.
Um “ex”, não precisa necessariamente ser um inimigo. Pode se transformar em amigo. E uma boa amizade nunca será demais.
Pode-se esquecer que um dia houve um amor unindo duas pessoas, mas é muito difícil esquecer que houve essa pessoa. Sempre existirão fatores que trarão lembranças, boas ou más, mas lembranças que insistem em serem lembradas... Então sempre será melhor pensar com suavidade, e mesmo com algum carinho, pois algo de bom sempre foi vivido. Sempre haverá em se apoiar o pensamento. Por que se aferrar apenas à mágoa?
Devemos apenas lembrar do que houve de bom, e procurar saber o que pode ter motivado um eventual rompimento, para evitar incorrer no mesmo erro no futuro.
Não se deve tentar varrer a pessoa amada da memória, pois será praticamente impossível consegui-lo. Vamos suavizar as lembranças, para que nos lembremos e consigamos falar sem chorar, sem mágoas ou ressentimentos. Se algo terminou, é porque algo foi vivido e teve episódios felizes. Então a dor e o ressentimento só vão dificultar o esquecimento.
Mas sempre será interessante ponderar bem antes de tomar uma decisão definitiva, pois poderá ser válido dar uma chance para o amor. Principalmente quando ocorre o chamado “esfriamento sexual”, que nem sempre é causado pelo fim do amor, pois o amor se houve, não acaba assim.
Vamos saber analisar o que provocou esse desinteresse repentino, que pode ter diversas causas, desde clínicas e até psicológicas, ou simplesmente etárias. Não se pode querer que aos 40, 60 ou 80, tenha-se o mesmo ardor sexual que aos 20. E há que se considerar que se um dos parceiros tiver mais ardor, deverá entender o que está ocorrendo com a parceria. Se houver amor de verdade, esse fator será facilmente superável, desde que haja diálogo.
Assim é o amor. Temos que saber vive-lo, sabendo entender todas suas nuances, sabendo superar todas as crises. Até mesmo a fatídica (para alguns) “perda” do tesão.
Amor e tesão não se perdem. Podem mudar de forma, mas no interior sempre existirão. Se não houver mais o ardor sexual, poderá haver um carinho suave, como maneira de expressar o amor sentido. Um beijo carinhoso pode expressar muito mais amor do que uma transa forçada.
Sempre devemos dar uma chance a mais para o amor, antes de dizer adeus.
Tenha um lindo dia!!
Marcial Salaverry
Enviado por Marcial Salaverry em 28/06/2005
Código do texto: T28815
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Marcial Salaverry
Santos - São Paulo - Brasil, 77 anos
19836 textos (1961229 leituras)
3 áudios (855 audições)
6 e-livros (2134 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 02:58)
Marcial Salaverry