Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Coletânea V - SÃO 3 AMORES INFINITOS

SÃO 3 DUETOS - ELIO E ILIA

Tristeza me deixes

Hoje tenho como companheira a solidão.
Meu coração sente quase eterna essa solidão.
Minha alma fica sempre atordoada
E em meu rosto sempre retrata a tristeza

E essa tristeza repentina afoga meu coração
Nas lagrimas que derramo diante de ti
Um dor que abre meu peito
E se alastra na minha alma castigada

Tranquei meus sentimentos, fiz os prisioneiros.
A todo custo, os sufoquei.
Nos versos de amor procuro espantá-la
Esta dor e este sentimento solidão.

Às vezes me entrego a essa paixão
Sufocada e amargurada no meu peito
Outras vezes é apenas ilusão
Papel, lápis e sossego escrevo uma canção.

Na tarde uma brisa!  Que vem e tenta!
Levar todos os restos de tristeza.
Para que dê a expectativa de sonhos.
E que de novo volte a viver.

Nós pensamos juntos. E de nossas mentes e nossas almas partem. Nossas idéias que as transformamos em poesias: Poemas: sonetos: Elio e Ilia
Ilia Noronha e Elio Candido de Oliveira



NOSSOS OLHOS

Nossos olhos
Seus olhos
Labirintos onde me perco
Olhar de sedução
Chama da paixão
***************.
Eles sempre a procura
Liberta se o labirinto
Abre-se o magnetismo da alegria.
Libertando a paixão.
****************.
Seus olhos
O milagre da natureza
A imagem perfeita
Da minha solidão
****************.
Não são milagres
É a dádiva de Deus
Para que neles refletisse
A tua beleza e teu amor
E libertando sua solidão.
****************.
São nos seus olhos
Que descubro
A face oculta do amor
E a beleza da dor
****************.
Não houve descoberto
Foi nossa alma
Nos desígnios de Deus
A guiar este encontro.
*****************
Mas são nos seus olhos
Que encontro
A paz da minha alma
E a certeza do seu amor eterno.
********************.
Meus olhos podem ser seu guia
E ainda mais o seu refugio.
Mas neste encontro de olhares
Estamos certos que o amor
Resistirá ao tempo.
Ilia Noronha e Elio Candido de Oliveira

O AMOR.....
O amor...

O amor é alimento consumível da alma
É a criação universal
É a satisfação do que é real
É um milagre da natureza
É a fonte de uma beleza interna

De alimento de consumo
As nossas almas aplaudem
Num grito geral
Cantam a alegria deste milagre
O milagre a nós concedido.

O amor é infinito e finito
É uma dor que não dói
Um sacrifício sem sangue
Uma cicatriz profunda

De infinito e muito mais.
É loucuras que diz doer
Pequeno sacrifício
Que causa sentimentos profundos

O amor é real e irreal
É a escassez do líquido divino
O amor é divino e puro
Singular e plural

Nada no mundo nos parece tão legal.
E muitos dizem irreais.
Pois tem Deus como patrono.
Na humildade e prazer

O amor não tem definições
A gente sente, vê e crê
Amor não é palavra
São sinônimos, antônimos

Não procuremos definições
Amamos e só.
Palavras. Amor, amor...
Te amo amor.

Um verbo. Eu amo
Tu amas. Ele ama

O amor é um sentimento ainda
Verdadeiro

Onde há o amor nada mais é preciso.
Ama-se e com certeza vive-se.

Ilia Noronha e Elio Candido de Oliveira

Ilia Noronha
Enviado por Ilia Noronha em 01/12/2007
Reeditado em 13/12/2007
Código do texto: T760050

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Ilia Noronha César Neta). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Ilia Noronha
Manaus - Amazonas - Brasil, 33 anos
609 textos (49720 leituras)
7 e-livros (3258 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/08/17 23:41)
Ilia Noronha