Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

PORTO ALEGRE 2006 - 234 ANOS *


PORTO ALEGRE 2006 - 234 ANOS


Nadir Silveira Dias


Descendentes da avançada civilização Atlântida, ilha-continente que dominava a navegação, as ciências e as artes, remanescentes da fidalguia dos imemoriais, místicos e míticos atlantes, uma colônia de imigrantes açorianos faz Porto Alegre nascer nos idos de 1752, a partir do seu estabelecimento na localidade denominada Ponta de Pedra, na Sesmaria de Santana que era capitaneada pelo intrépido Jerônimo de Ornellas e Vasconcellos, momento a partir do qual passou a se chamar Porto dos Casais.

Um pouco mais de uma década depois, em 1763, os castelhanos então comandados pelo governador de Buenos Aires, Don Pedro Cevallos, invadem o Rio Grande do Sul e dominam a marítima cidade de Rio Grande, fundada pelo Brigadeiro José da Silva Paes em 19.02.1737, a segunda portuguesa, depois de Santo Antônio da Patrulha, de 1719, uma vez que o Rio Grande espanhol já nascera em 1626, ao noroeste, com a fundação de São Nicolau.

Nesse ano da invasão, as populações portuguesas do norte da província migram para a região de Viamão, fundada em 1741, e para o novel Porto dos Casais.

Por édito eclesiástico de 26 de março de 1772, a Freguesia de Nossa Senhora da Conceição de Viamão é dividida em duas e o Porto dos Casais passa a denominar-se Freguesia de São Francisco.

Mas não durou muito esse nome, pois em 18 de janeiro de 1773 um novo edital rebatiza a comunidade, que passa a se chamar Madre de Deus de Porto Alegre.

Nesse ponto, José Marcelino de Figueiredo, então o governador da Província de São Pedro do Rio Grande do Sul, ordena a transferência da Câmara Municipal de Viamão para Porto Alegre e a primitiva colônia açoriana se transforma na capital da província.

Além de se tornar centro administrativo, também passa a ser área militar e são construídas as primeiras paliçadas de madeira em torno da cidade. Por isso, as estreitas ruas da Porto Alegre colonial são projetadas como um labirinto, com nítido caráter defensivo. A nova capital prospera e em 1804 a Coroa Portuguesa instala a primeira alfândega do Rio Grande do Sul.

No entanto, a data exata (?) da fundação de Porto Alegre está definida como sendo em 26 de março de 1772, que disso faz certo a Lei Municipal nº 3.609/1971, sancionada pelo então prefeito Thompson Flores, em 29 de dezembro de 1971.

Porto Alegre (http://www.portoalegre.rs.gov.br), capital do Estado do Rio Grande do Sul, que já foi cognominada de Cidade Sorriso, também continua a ser a “Leal e Valerosa Cidade de Porto Alegre”, título nobiliárquico outorgado por Dom Pedro II, em 1841, pela lealdade com que se portou nos idos da Revolução Farroupilha (precisamente em 1836).

E apenas para disseminar ainda mais este querer, a poesia, a composição, do professor-senador, interpretada por belíssima voz, no compacto-disco do mesmo nome, em mais um ano de amor vivido com a amada Porto Alegre.

“Porto Alegre é demais!

Letra e música: José Fogaça
Intérprete: Isabela Fogaça

Porto Alegre é que tem / Um jeito legal / É lá que as gurias etc. e tal // Nas manhãs de domingo / Esperando o Gre-Nal / Passear pelo Brique / Num alto astral // Porto Alegre me faz / Tão sentimental / Porto Alegre me dói / Não diga a ninguém / Porto Alegre me tem / Não leve a mal / A saudade é demais / É lá que eu vivo em paz // Quem dera eu pudesse / Ligar o rádio e ouvir / Uma nova canção / Do Kleiton/Kledir // Andar pelos bares / Nas noites de abril / Roubar de repente / Um beijo vadio // (repete) // Porto Alegre é demais”

Não menos significativo, o jeito de ver e sentir de Manoelito de Ornellas -(Manoelito Guglielmi de Ornellas (Itaqui, 1903 – Porto Alegre, 1969), poeta e historiador. Principais obras de poesia: Rodeio de estrelas (1928), Coração (1929) e Arco-Íris (1930), no texto poético:

“Porto Alegre

A cidade de Porto Alegre é sempre nova para os meus olhos e minha emoção.
Gosto de suas avenidas e de seus parques, do Guaíba e de suas praias, de seus morros e de seu recanto de sombra.
Sinto a poesia imensa de suas auroras e seus crepúsculos...”

Nesse contexto, para os de antes – e as 25 etnias da sua formação - ou para os de agora, neste ano de 2006, Porto Alegre comemora 234 anos, oficialmente, ou 254 anos do estabelecimento dos imigrantes açorianos, em 1752.

Confira na página: http://www.imagensviagens.com/br5_portoalegre.htm

Longa vida, bela vida, Porto Alegre (!), Sorriso dos Meus Amores!


Escritor e Poeta – nadirsdias@yahoo.com.br
Nadir Silveira Dias
Enviado por Nadir Silveira Dias em 13/03/2006
Reeditado em 15/04/2006
Código do texto: T122534
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Nadir Silveira Dias
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil
1036 textos (153793 leituras)
4 e-livros (380 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 20:25)
Nadir Silveira Dias