Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

SEPARAÇÃO (o que fazer quando O OUTRO vai embora?)

Acabo de receber a triste notícia da separação de um grande amigo e busquei em meus guardados algo para lhe dizer, de minha experiência, das tantas vezes que amei e morri a cada vez que amei.

... e de repente me vi só, no meio de um silêncio; me sentir como um morto, ainda vivo. Isso acontece quando perdemos a esperança e a capacidade de sonhar, como se todos os sonhos morresse nesta hora triste. Era noite na praça do Jacaré, sentados no cais a beira do rio corrente eu insistia querer continuar o que pra ela já tinha acabo. Era inútil procurar culpado; se tivesemos bola de cristal certamente saberiamos o momento certo em que tomamos o caminho contrário e assim  evitariamos muitos começos e tantos  finais tristes. Naquela noite Maria insistia em desistir de mim e  eu insistia em querer quem não me queria mais... Enfim, acabou!

...

No começo é natural o sentimento de desprezo, a dor indescritível; é como se vivessemos numa escuridão total e repentinamente uma luz se acende, nos fazendo descobrir o que antes não enxergavamos, impedido por uma paixão que incendiava a alma e nessas horas ninguém enxerga o óbvio que faz a diferença entre AMOR X PAIXÃO. Enfim enxergamos o que todos já viam, só você não via, ou  fingia não ver...  A paixão cega enquanto o amor esclarece!
 

Estava diante dos olhos, todos os dias, que aquele sentimento que parecia amor, derramou-se porque não era amor. Muitas uniões se dão no entusiasmo de uma paixão!  É como uma onda sedutora na qual nos arriscamos, atraídos por suas formas e no desejo de possui-la, sem mesmo pensar, que é na maré baixa que os peixes se afogam e as ondas cessam; as ondas não voltam para o mar; elas fazem um caminho sem volta, rumo as pedras onde se quebram ou rumo a praia onde se esvaem na areia, todas as pegadas... as ondas são como ciclos de lembranças que morrem na areia, sem ter como fazer o caminho de volta ao mar, outra onda vem e passa por sobre aquela que quiz voltar, mas nunca será a mesma coisa.

Eu também tive minhas apaixões, pois somente nas decepções das paixões é que aprendemos o caminho do amor.  Eu e  ela éramos referenciais do amor  na cidade, até que a terceira pessoa roubou de nós todo aquela harmonia e sentimento de felicidade. Não era amor o que havia entre nós, se um amor, o outro vivia uma paixão. O amor resiste as tempestades, quando a paixão vai com vento em busca de outras emoções.  

Doi muito quando descobrimos que fomos vítimas da paixão e naquele dia descobri  com muita dor,  o que é amor e o que é paixão e nunca mais disso me esqueci. O amor resiste; expulsa de perto de si o corpo estranho, o perigo de fim; enquanto a paixão se vislumbra com a onda nova que vem; nos atrai como fogueira ardente que chamusca; a paixão é enganosa, confunde o coração. Nem eu, nem Maria estavamos preparados para encarar a vida a dois; vivemos uma  paixão, que não chegou a ser amor.  

Valeu?

É claro que valeu, tudo vale a pena, quando aprendemos com os nossos erros a corrigir o rumo de nossos caminhos. Há um momento na paixão que se abre a janela para o amor, pois amor no seu começo vive o risco da paixão e a paixão está sempre a um passo do amor, é uma questão de percepção do momento exato, da medida certa, para que o sentimento de paixão avassaladora, passe a sutil brisa onde repousa o amor. 

 É uma janela que se abre num breve tempo de acesso; quem percebe este instante e por ela adentra,  transforma enfim o sentimento, do contrário há de continuar vivendo a paixão, supondo ser amor, mas como começa a arder em ciumes... O amor resiste as provações; a paixão desiste da luta e foge para outro tempo.

Em meu caso, o amor aconteceu em um dado momento de nosso tempo, mas apenas eu adentrei por aquela janela e aí... aí  foi uma questão de tempo para chegarmos ao fim. O amor é uma parceria de cumplicidade e não um sentimento unilateral; o amor só não resiste a traição e a ingratidão.



O amor é fruto de duas vidas que se unem; quando a paixão  costuma por via de regra, prolongar a agonia da sobrevivência conjugal; em outro tempo eu diria que a paixão duraria uma eternidade, sem nunca ser amor, mas foi-se o tempo das "Amélias" que tinham por obrigação se doar e morrer de vergonha de amar sem o gosto do gozo, mas o amargo peso da tolerância. Ser mulher era um fardo e como incomum ao homem o ato de servir, quando lhe ensinaram ser servido.

As  coisas mudaram muito rapidamente, tudo se tornou descartável, até o ser. O mundo mudou! Não parece mais estranho quando um dia uma mulher arruma as malas e em silêncio parte, carregando lembranças, sonhos; levando consigo a vida, os frutos de uma união, enquanto o homem ainda se julga no direito de matar em nome da  honra e do amor... Amor! 

Hoje é comum a qualquer das partes, que  não suportando mais viver de aparências e favpres, repete na vida o movimento das ondas, que vem por sobre as águas e se derrama na areia da praia, na ância de apagar as marcas de tudo que passou. 

Não será fácil pra nenhum dos dois o ato começar de novo, mesmo que uma das partes  encontre na praia vestígios de para uma nova aventura; mesmo que não vivam mais o fantasma da terceira pessoa disceminando discordia, intriga, traição. Quando "o  outro" se torna real, as coisas ficam mais difíceis; porém é melhor sofrer com uma verdade do que viver uma felicidade de mentira.

As vezes nem existe a tarceira pessoas ou fantasmas, mas simplesmente quebrou-se o encanto, ou por culpa do ciume, da rotina, da insegurança, da velha questão da incompatibilidade os mesmos motivos que nos levam ao outro, também podem nos afasar dele. 

A vida nunca será a mesma, fato! pois quando por acaso nos encontrarmos, nunca será a mesma coisa. Encontrei-me diversas vezes com Marinalva, sim foi ela a grande paixão de minha vida, mas não era a mesma coisa e então conheci um pensamento de um velho poeta que diz... "Saudade palavra infinda que no pensamento perdura, ah! quantas vezes a vida nos ensina que a saudade da amada criatura é bem melhor que a presença dela."  (Pablo Neruda)

Puxa!!! que verdade absoluta!

E quando existe  a figura inseparável dos  filhos. É um elo indestrustrível  que nunca poderá ser ignorado, pois eles na maioria das vezes é que são as verdadeiras vítimas da paixão. Aí entra o consenso, a razão de saber separar pessoas e sentimentos e acima de tudo encontrar uma forma de compensar a ausência da figura materna ou paterna, que é insubstituível, principalmente a figura materna, pois jamais a regra se inverterá; não há pai que substitua uma mãe, são rarissimas as excessões. 

"O mundo está tão muito diferente de quando começamos", e no caso do meu amigo, motivo deste texto,  tiveram tão pouco tempo de começo...  3, 6, 10 anos, não importa quando anos vividos a dois, pois o que definirá a dor do rompimento é a intensidade com que viveram o tempo que viveram. É  tão pouco uma vida para   tanta mudança!  

 Alguns aprendem com as experiências dos outros, enquanto muitos continuam  sofrendo sem aprender nada, com seus próprios erros...

Depois de Marinalva  encontrei um outro amor; meio desacreditado não esperava substituir aquela grande paixão, mas se não dermos oportunidade ao coração, como superar o trauma? O outro terá que nos tocar como antes eramos tocados, beijar, amar sem comparações, jamais podemos deixar que as lembranças façam competição com o presente ou estaremos enfadados um novo fracasso. 

Já sepassaram 29 anos de amor pleno Eu , Jane e nossos dois rebentos.

Amigo, lembre-se que entre você e ela há uma filha, essa coisinha maravilhosa que vocês rotularam com o nome de uma pedra verde tão preciosa. Ela não  pode perder o brilho daquele sorriso tímido e lindo; este processo de separação não pode se transformar numa guerra penosa, intrigante, cheia de ranços.

Coragem amigo, coragem; por pior que tenha sido o convívio, há boas lembranças de momentos indescritíveis, comum a todos os relacionamentos. Não é porque tudo acabou que não se tem nada de bom pra se contar!  Olhe os poemas que escrevo, falo da saudade como se vivesse um poço de tristeza... mas é que mantenho ativa as boas lembranças e delas tenho saudade,  sem querer me lembrar do que de triste se passou.  É nessa hora que os pontos negativos afloram, pra piorar qualquer tentativa harmoniosa de entendimento;  esta é uma luta em que não haverá vencedores, mas pode ter argumentos  reconciliadores que os leve a um novo começo. Nenhum de vocês dois nem seus  filhos podem ter por definido o fim e fique atentos para que não tomem um caminho amargo da discordia absoluta, pois basta um deslise e vocês podem se tornar inimigos mortais.

Alguém errou desde o começo e só descobriu muito tempo depois ou então as coisas mudaram, com as mudanças de todos os dias.  Não importa quem foi fiel ou infiel nos sentimentos; não é somente traição conjugal ou falta de sexo que separa um casal. Cuidado com tudo que será dito e feito; o  arrependimento pode vir depois e pode ser uma dor insuportável de conviver com o arrependimento, se a última chance de recomeçar foi perdida. 

...  Lamento ter sido pouco para o tanto que você queria... é o que eu diria a ela, quando a encontrasse em um desses momentos de acertos que hão de vir e não mais tocaria no assunto de convivência, vocês verão que é mais facil unir, que seperar...  

Na dor de tanta ausência um acaba assumindo a condição de vítima da paixão e este, certamente foi o que amor. O que quer que tenha sido, também acabou e não se pode alimentar ilusões, sob pena de prolongar o sofrimento. É duro a sensação de ter vivido e suportamente achado que conheciamos o outro e de repente, saber de que nada sabiamos dele ou dela; parece que perdemos o tempo, a vida, a força para um novo começo. Lembre-se que depois da "poda" as arvores e plantas renascem com mais vigor, que o cerrado refaz a vida, depois do fogo.

Não é hora de lamentar, cultivar ódio, jogar pragas, afinal entre vocês há um elo inegável de união e se durante a união de vocês não tiveram a presença de Cristo, abençoando, orientando, agora é Ele o única caminho, a única solução, a última esperança, neste mundo conturbado e bem diferente de quando voces começaram e olha que não faz tanto tempo assim, mas como o passar de uma página, a vida mudou, o mundo pirou!
...
As separações de casais parecem ter um padrão habitual. No passado enfrentei um processo doloroso e com o qual eu simplesmente não soube lidar e não era um relacionamento conjugal, apenas um noivado rompido: Sofri demais.

Acredito mesmo que eu não merecia ser tratado como fui. Desprezado, humilhado e pisado, só me restou esperar o tempo passar... e como deimora para que as lembranças saiam da cabeça!!! Ela voltou, mas  preferi o poema do poeta.

Agora, meu amigo, o melhor é curtir com responsabilidade a liberdade da rotina rompida, ter calma e ir de vagar ao pote onde se mata a sede; mulheres e homens carentes estão por aí aos montes, a espera de quem valorize um relacionamento.
 
Cuidado pois o desespero e a angústia não resolverão absolutamente nada e se demonstramos descontrole para com a pessoa que se foi, telefonando; passando email, mensagens no MSN, Orkut, recadinhos ou demonstrando sofrimento e fraqueza diante dos amigos comuns, dando escândalo nos lugares comuns que costumavam freqüentar, aí então é que vai morrer qualquer possibilidade de retorno, sim, pois nem sempre uma separação é definitiva e tais atitudes vai sim confirmar a ter certeza de que, quem se foi, foi na hora certa.



AMIGO, cure-se o mais rapidamente da pancada para poder começar de novo. Leve em conta que isso acontece com milhares de pessoas, todos os dias e apenas os desajustados, loucos, enciumados, saem por aí matando e cometendo suicídio, a grande maioria sobreviver e se tornam bem mais feliz que antes era, pela experiência de ter aprendido com o passado. Você também sobreviverá. Pode apostar nisso.

Faça por você o que ninguém em momentos como este fará; senão criticas, chacotas; procure abrigo nos braços do Senhor Jesus, Ele É infalivel em todas as situações, Ele É  o Salvador em todas as circunstâncias; faça dEle um interventor e deixe a Ele toda as decisões do que será,  que seja por Ele. Quem sabe não retornem com um amor transformado? 

Não viva como se tivesse se tornando um farrapo humano, pois aí sim, mata todas as possibilidades de reconciliação, se for este o desejo.

Confie em Jesus e ELE tudo fará da melhor forma. Amigo, você sabe onde encontrar-me, chorarei contigo, se assim for preciso!

Boa sorte!!!
Flamarion Costa
Enviado por Flamarion Costa em 22/05/2010
Reeditado em 16/05/2013
Código do texto: T2273564
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2010. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Flamarion Costa
Brasília - Distrito Federal - Brasil
472 textos (114543 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 31/10/14 07:08)
Flamarion Costa



Rádio Poética