Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

DEUS !

DEUS!

Eu sou o princípio, o meio e o depois... Sem ser o fim!
Criei tudo o que existe debaixo dos meus sóis.
Denominam-me de Javé, Emanuel, Deus, Alá e muitos outros vocábulos.
Nunca os informarei sobre o meu princípio que, para vocês, se perdeu nos primórdios da suas meras existências.
Sou Senhor de tudo, até do Mal, Sou leão e o Cordeiro, a vida e a morte, a qual! Transformo em espiritual!
Os meus inimigos não me atingem nem afligem por serem, também, minhas criaturas.
Aos meus amigos dou o mesmo que forneço aos meus inimigos, por ser, totalmente, imparcial e praticar a minha Justiça que vê os seus corações e o futuro de toda a minha criação.
Não discrimino nada! Em nenhuma situação, por estar, tão somente, à espera da sua alma ou... Espírito, quando, então, farei justiça dos méritos conseguidos por vocês no labor e dedicação a Mim, porém, não condenarei a ninguém ao “fogo eterno ou o inferno” em razão da minha justiça ser bondosa e não punitiva eternamente, a ponto da degradação dos meus filhos, ilibados, ou não!
Nunca premiarei o bom procedimento ou a dedicação a Mim, pelo menos, nesse vale de lágrimas orquestrado por vocês, por entender que, o que se faz de bom é uma obrigação inerente e, não, para resultantes de premiações.
As riquezas terão mérito próprio, todavia, o usufruto dela não poderá ser para castigar aos pobres, entretanto, não proibirei que o rico use a sua fortuna para o “bem” ou para o “mal”, ás vezes, usando-a para a prática defectível quando, então, ela será uma “pedra de tropeço” que o afastará de Mim.
Os que forem beneméritos e benfazejos, apenas, estão fazendo a sua obrigação sem receberem nenhuma “medalha” por tal ação.
Não habito entre os meus filhos em razão do “prêmio” não poder ir aos pretendentes dele, sendo, portanto, o inverso: Vocês são quem deverão vir a Mim e à minha morada celestial!
Dei-lhes uma arma poderosíssima que é o LIVRE-ARBÍTRIO, no entanto, muitos de vocês não seguiram, fielmente, as lições dos meus enviados, aos quais, a maioria, matou ou os ignorou; portanto, cabe a apreensão e aceitação de como usa-lo se, para o bem, terão premiação posterior, todavia, para o mal, serão projetados para longe do meu reino, contudo, somente após a consumação da sua vida terrena.
Na Terra ou em outros planetas, poderão fazer o que quiserem das suas autodeterminações lhes dada e, jamais será tomada por Mim! Por ser mais uma “pedra de tropeço” destarte... Os purificando!
EU JAMAIS TOMO O QUE DOU COMO BENESSE OU, POR MERECIMENTO, MOTIVADO PELO “MAL” E O “BEM” NÃO ESTAREM NOS OBJETOS E, SIM, NO USO DELES!
Vocês fizeram da união entre homens e mulheres uma condicional denominada casamento, com papeis passados em cartórios ou nas igrejas, o que achei bom!
Entretanto, quando lhes dei Adão e Eva, os uni sem enlace oficial; para Mim, primeiro é necessário o amor coroando os casais e, não, uma folha de papel com a sua passarela de letras, todavia, um não exclui o outro!
Se for para o bem do amor sincero, nada impede que o casamento seja oficializado, apenas, o amor tem que ser a artéria que irriga tal união.
Só permitirei o divórcio se acabar o amor e o entendimento pacífico e cordial, desde que haja a proteção à prole resultante da união, e, os assim separados, não mais se unirão com outro, pois, o amor não é uma “massa de manobra ou de aconchego” e, muito menos, troca dos atores num palco de ilusões:
 Escolham bem, casem e, não dando certo, separem-se sem se unirem a mais ninguém sexualmente, não se brinca de amar sem pagar caro na empreitada.
Aos filhos! Amem aos seus pais na mesma intensidade do amor deles recebidos, principalmente, por eles o terem gerado e os amparado até vocês poderem decidir os seus caminhos. Sigam-lhes os bons exemplos sem os criticar em público pelos desatinos por eles praticados, apenas, ignorem-nos.
Se vocês os abandonarem, na certa, os seus, também, no futuro, lhes farão o mesmo.
Das “ruas” só sigam os bons exemplos e procedimentos íntegros, pois, assim não o fazendo, estarão trocando os seus pais pelos professores banais e venais delas.
Dei a todos os entes viventes a inteligência, apenas, aos seres humanos, acresci o raciocínio e o tirocínio, exatamente para Eles comandarem os irracionais com a cátedra lhes introduzida na mente ou no coração; evitando, assim, que a animalidade inteligente venha a suplantar o homem, que é mais fraco fisicamente e em menor número, todavia, dominador pela mente e a razão, intitulada de raciocínio.
Não duvidem de que os meus animais irracionais sejam inteligentes, limitando-se a tachá-los de possuidores de instinto, que, nada mais é do que o afloramento, Neles, da inteligência lhes dada por Mim.
Se todos os animais, mormente os animais irracionais, não tivessem inteligência, eles todos já teriam perecido na TERRA.
Eu não tenho que provar nada do que falo ou faço, entretanto, aos incrédulos, vou dar alguns detalhes dessa inteligência irracional:
 -Fuga do predador ou qualquer outro perigo para suas tocas ou abrigos.
-Um pássaro, pegar no bico um graveto para furar a madeira à cata de cupins.
-Camuflagens para fugir ou atacar o inimigo.
-Atacar, quase sempre, ao mais fraco, se estivesse com fome, por exemplo, atacariam o mais gordo ou forte e com mais carne, usando o instinto, porém, não seria inteligente e perderiam a refrega.
-Sobreviverem no gelo eterno dos árticos e, no deserto do Saara (baratas, por exemplo).
A continuar, teria que ir ao infinito com o pouco tempo que vocês têm na Terra. Doravante, acreditem que OS “ANIMAIS DE FRANCISCO” TÊM INTELIGÊNCIA E, TAMBÉM, INSTINTO!
Os caminhos para o meu Reino e moradia estão definidos na terra desde quando lhes dei Adão e Eva com a sua prole seqüente:
PARA O TRAÇO DE JUNÇÃO ATÉ A MIM, LHES DEI O LIVRE-ARBÍTRIO E OS MEUS MENSAGEIROS, INCLUSIVE, O MEU FILHO JESUS! Que vocês crucificaram sem julgamento isento.
Por não ser longitudinal e com itinerário preconcebido, vocês terão que usar a inteligência e o tirocínio, a livre determinação, a desvalorização dos bens monetários adquiridos e não distribuídos com os seus irmãos carentes e A...FÉ! Cuja manutenção terá que vir dos seus corações, morada do meu Divino Espírito Santo.
Para vir a Mim, deverá progetar-me o seu amor pelo bom caminho sem pisoteios aos demais, mesmo que eles sejam a ralés da humanidade, além de caminharem à procura de audeterminar-se aos seguintes itens:
Como vou?—Quando vou?—Por Onde vou?— e... Aonde vou?
“COMO VOU?”, será o modo de vida com estribo no seu livre-arbítrio.
“QUANDO VOU?”, será a posse da somatória dos Bens praticados, até no atendimento a uma galinha faminta.
“POR ONDE VOU?”, será a escolha entre o Bem e o Mal, ultrapassando-os sem receber deles nenhuma aresta, por já trazer em si a purificação benfazeja da estrada de luz que percorrerá daí em diante.
“AONDE VOU?” É o caís da perfeição e o píer da esperança e fim da sua linha de vizada, esperando, tão somente, a consumação da sua carne (ou vida!) e o passaporte da aceitação, por mim liberado, para entrares no meu reino pelos merecimentos adquiridos, apesar dos acenos das margens defectas, aos quais, os ignorou sem julgá-los ou lhes amealhar.
EU, ainda poderia dizer-lhes sobre infinitos vocábulos alusivos às suas vidas, enquanto materiais na Terra de vocês, também minha e do meu filho Jesus, contudo, não serei (mesmo podendo) prolixo, de forma que, assuntos como: Crimes, Segurança, Trabalho, Política, Escolas e, muitos outros análogos, ou não, TODOS ELES! Sem exceção, estão catalogados nos dez mandamentos da Tábua da Lei, dada por mim a Moisés, irmão de vocês, há milênios (horas para mim) e resumidos em dois:
Amar-me sobre todas as coisas e a vocês próprios como se fossem iguais, só querendo para vocês o que desejem para os demais próximos ou distantes, pois, tenho filhos em todo o universo, os quais, ainda não lhes revelados.
A MINHA BENÇÃO FECUNDA PARA TODOS!

(aa.) DEUS!

Observação: Assinei sem procuração, contudo... Por concordar com o texto e ser, futuramente (espero) um dos seus filhos ainda não revelado.

(S.A.Baracho)
conanbaracho@uol.com.br
Sebastião Antônio Baracho Baracho
Enviado por Sebastião Antônio Baracho Baracho em 21/10/2006
Código do texto: T270046
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Sebastião Antônio Baracho Baracho
Coronel Fabriciano - Minas Gerais - Brasil, 79 anos
421 textos (19441 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 15:50)
Sebastião Antônio Baracho Baracho