Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Você já parou para pensar...

Você já tentou parar para pensar, no tamanho da imensidão de tudo que acontece. Que somos uma pequena parte, quase um grão de areia, comparados ao imenso universo que nos cerca.
Tentou imaginar o quanto de momentos únicos mágicos, eternos, estão acontecendo nesse momento à nossa volta?! Quantas vidas podem estar nascendo, abrindo pela a primeira vez os olhos, tendo a real noção do que verdadeiramente somos, diante desse mundo, muito pequenos e frágeis, a mercê da vontade de qualquer um, da vontade de alguém superior. Quando descobrimos as pequenas coisas, que fazem parte, do nosso minúsculo universo particular. Quanto estamos à caminho das nossas primeiras conquistas.
Ou, tentou imaginar, quantos olhos estão fechando, e respirando a vida, pelo o ultimo segundo. Revendo cada cena de sua própria vida. Alguns com o um sorriso no rosto, como se tudo tivesse valido a pena, outros, tentando alongar ao máximo esse ultimo suspiro, para tentar, fazer alguma diferença.
É impossível, tentar imaginar em nossa mente, quantas pessoas podem estar caminhando por nossa rua agora, ou no bairro, na cidade, no país. Tente por na mesma imagem, quantas pessoas estão simplesmente atravessando a rua no mundo, sem se dar conta, da imensidade do nosso universo, da nossa vida, como cada minuto é único e irrecuperável.
Quantas pessoas andam, correm, sem nenhuma suspeita de tudo que passa. A maravilhosa forma de como tudo acontece misteriosamente, sem nem nos darmos conta, de que cada passo que tomamos, cada idéia, cada pensamento. Qualquer coisa. Nada, nada mesmo, nesse mundo acontece sem uma razão. Mesmo a decisão aparentemente mais boba, como ir ou não ir a tal lugar, atravessar a rua aqui e não ali. Tudo tem um efeito e conseqüência, tudo tem uma razão, tudo está onde está por um motivo. Um passo a mais ou a menos, um sorriso, ou uma lágrima, fazem toda a diferença. Não somente na sua vida, ou no que você julga, seu  “grande universo particular”. Mas no mundo todo.
Você se pergunta: “ Como apenas, uma decisão tomada por mim, como algo cotidiano, pode fazer toda essa diferença?”
E pode. Imagine, se naquele determinado segundo, você tivesse sorrido e perdoado, em vez de ter xingado e desejado mal. E essa pessoa não tivesse repassado esse sentimento para frente. A vida, a decisão e o pensamento de muitas pessoas poderiam ser diferentes naquela hora, naquele dia. Mas ainda assim você não quis perdoar, e xingou e a vida seguiu, sem nem mesmo você perceber, que aquele minuto, poderia sim, ter feito muita diferença, se tivesse sido diferente.
Isso não é razão para nos culpar de todo o mal do mundo. Não é somente sua reação, ou o dom da escolha, de fazermos o que bem entendemos. E  com isso, com esse grande presente, temos uma grande responsabilidade, porque também sabemos que, tudo tem uma conseqüência uma reação, e ninguém está a salvo disso. Não importa o que você faça, seja bom ou ruim, não importa o que, escolhamos, ou como encaramos determinadas situações na vida, tudo acontece por uma razão. Para toda ação há uma reação.
Essa é a grande Lei, talvez, a única que rege o universo. Nada sai impune, nada é esquecido, o que para você pode não parecer nada, para alguém pode ser muito. Assim é o mundo. Ouvi uma certa frase uma vez: “ O passado não nos esquece.”
Talvez você não se lembre do que tenha feito naquela certa hora, naquele certo dia. Mas tenha certeza que talvez alguém se lembre. Ou pelo o que você disse, ou pelo gesto, o tom de voz. Talvez você nem perceba, mas alguém não vai se esquecer jamais.
Como pessoas não esquecem, o mundo também não. Pode ser que a reação não seja de imediato, mas sim no momento certo. Cada palavra, cada gesto, cada segundo, terá sua resposta, assim que for oportuno saber.
Soa injusto não?! Sofrer a reação de algo, que talvez nem mesmo nos lembramos, ou sem saber o que fizemos foi certo ou errado. Como podemos responder, ou nos defender de algo que nem si quer sabemos, o que pode ter causado isso. Como podemos avaliar o motivo, de que pessoas que se esforçam tanto quando outra, pode não ter o mesmo sucesso ou alcançar as mesmas coisas.
Como tudo tem uma reação, não sabemos ao que estamos respondendo. Mas mesmo que tomemos a mesma estrada, façamos as mesmas coisas, tomemos as mesmas decisões, o destino que será alcançado será completamente diferente, porque não sabemos, que formar tomamos para conquistar o sucesso em outra oportunidade. Ou quantas coisas deixamos passar, sem perceber, ou queríamos exatamente assim, vamos responder essas decisões. Mesmo que não tenha sido agora, mas temos que agüentar a força da conseqüência desse nosso ato.
Isso tudo responde a questão feita por muitos, que se conformam com o que apenas está em sua frente,  porque isso lhe parecem real o bastante, o universo se resume apenas naquilo. Só porque não vemos, não quer dizer que é real, não é porque não sabemos , não quer dizer que não temos que responder por isso. Por isso que nossos olhos, toda e qualquer reação parece injusta, porque não conseguimos entender a razão do que nos acontece. Não seria muita estupidez, imaginar que tudo que nos acontece é por acaso, e ainda nos conformarmos, com algo ainda pior. Que é a vontade de alguém maior que nós, que ainda assim temos que nos conformar, ou que essa mesma grande força trará solução para os infortúnios, que só nos cabe esperar? Será que não é muita estupidez acreditar nas razões que achamos certas, por preguiça de pensar diferente de alguém? Por que nos conformamos com tudo que vemos, e tudo que nos dizem é verdade?
É sempre um grande teste, com múltiplas opções que temos que responder todos os dias e não temos tempo para pensar. E claro que sempre terão opções erradas para nos enganar, assim como pessoas e opiniões. Que estarão ali apenas para nos enganar e no iludir. Mas essas também são testes, e cabe a nós, perceber a escolha certa e as pessoas certas, para assinalarmos que levamos conosco. É claro que podemos errar e nos entregarmos completamente à essas pessoas, e a esses erros. Mas é nossa obrigação admitir que estamos errados, e que sempre há tempo para corrigir e começar denovo.
Nunca é tarde, nada está no fim, até que chegue ao seu verdadeiro fim. Todo novo dia é uma nova chance de fazermos diferente. Perdoar aqueles que nos machucaram gravemente, ou aquela pequena falta de cortesia que alguém nos comete sem perceber. Todo dia, é uma nova chance de tomarmos novas atitudes e novas escolhas. Sorrir para qualquer pessoa, ou ligar para um velho amigo. Escrever para nos mesmos, ou pegar a nossa criança interna para um passeio. Fazer algo diferente com alguém que gostamos muito. Faça um convite, ou aceite um. Faça cada dia diferente do outro, sempre um novo desafio.
Basta apenas acreditar, como fechar bem forte os olhos e imaginar, que um segundo estamos onde queremos estar.
Vamos começar com coisas simples, olhando a vida com outros olhos, escolhendo outro tipo de roupa, mudando a disposição dos moveis de casa ou do serviço. Fazendo algo inesperável para alguém. Viva a vida, não deixa que a vida viva você.
Abra os olhos para o nosso grande universo, para a grandiosidade da vida. Nada é para sempre, mas nós somos eternos. Pense nisso.
Pense, e veja com outros olhos, seja verdadeiramente feliz. Acredita em você e no que vem depois. Tudo é somente uma passagem, há mais do que os olhos vêem, mas do que nosso pequeno cérebro sabe. Somos mais do que imaginamos. Somos grandes, somos eternos, somos filhos de Deus.
Claudia Rayzer
Enviado por Claudia Rayzer em 13/07/2005
Reeditado em 21/05/2009
Código do texto: T33942

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para o site). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Claudia Rayzer
São Vicente - São Paulo - Brasil, 31 anos
139 textos (6846 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 19:17)
Claudia Rayzer