Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A SABEDORIA DO REI SALOMÃO (Prosa e Versos)

 Texto extraido do livro "HISTÓRIAS DA BÍBLIA EM PROSA E
            VERSOS"ainda não aeditado
     
      Duas prostitutas  foram até o rei e se apresentaram.
      Uma das mulheres disse: - Senhor, eu e esta mulher moramos na mesma casa. Eu tive uim filho. Três dias depois que dei à luz, ela também teve uma criança. Não havia mais ninguém conosco. Nós estávamos sozinhas  na casa.
      Aconteceu que certa noite essa mulher se deitou sobre o próprio filho, e ele morreu.
      Ela se levantou durante a noite e,  enquanto eu dormia, pegou o meu filho que estava junto comigo, e o colocou do lado dela. Depois colocou do meu lado o seu filho morto.
      Quando acordei de manhã, para dar de mamar  ao ameu filho, vi que estava morto. Olhei bem e notei que não era o filho que eu havia dado à luz.
      A outra mulher retrucou: - Não é verdade! O meu filho está vivo; é o dela que morreu.
      A primeira contestou: - É mentira!  Seu filho está morto e o meu está vivo.
       Então elas começaram a discutir diante do rei  dizerndo: - o meu filho está vivo e o seu está morto. A outra respondeia: - Mentira sua! Seu filho está morto e o meu está vivo.
       No meio daquela confusão, o rei tomou uma decisão; ordenando aos seus guardas: - Tragam-me uma espada.
       Ao chegarem com a espada o rei ordenou que cortassem a criança ao meio. e desse a cada uma delas uma metade.
       Então a mãe verdadeira do menino que estava vivo sentiu as entranhas se comoverem e suplicou: - Senhor, dê a ela o menino vivo. Não o mate.
       A outra porém dizia: - Nem para mim e nem para você. Dividam o menino ao meio.
       Então o rei analizando as atitudes das duas milheres, não ateve dúvida e mandou que dessem o filho à primeira mulher que demonstrou ser a mãe verdadeira
       Todo o Israel ficou sabendo da sentença que o rei havia dado, e o respeitavam porque viram que ele tinha sabedoria divina para fazer justiça.
                                                          1Rs 3,16-28
           
                                                   
                    A SABEDORIA DO REI SALOMÃO

                  Versos baseados em: 1Rs 3,16-28

Duas jovens prostitutas                      - É mentira, majestade
Foram ao rei se apresentar,                 (Foi logo a outra falando)
Levando um sério problema                  - Essa mulher é maluca
Pra ele solucionar.                              Deve estar é delirando
O rei ouviu com atenção                      Só pra comover o rei
Pra depois então falar:                        É que ela está chorando.

-Moramos na mesma casa                    O menino que ela fala,
(Uma delas lhe falou)                          Pode crer, é filho meu.
-Eu tive um filho, senhor,                    Ela está inconformada
Que a minha vida alegrou                     Com o que aconteceu.
Mas essa minha amiga                         O meu filho está vivo.
Minha alegria roubou.                          O dela é que morreu.

Vivíamos só nós duas                         O rei, porém não sabia
Naquele mesmo lugar.                        Como o caso resolver...
Cada qual com seu filhinho                  Mas veio uma luz divina
Certa noite ao se deitar;                    Para tudo esclarecer
Escute bem majestade                       Ordenou a um dos guardas
O que agora vou falar.                       Uma espada lhe trazer.

Minha amiga descuidou.                     - Por que a espada, majestade?
Sobre seu filho deitou,                      (Uma delas perguntou)
Pois ele estava ao seu lado.               É que eu vou partir ao meio
Quando ela tomou sentido,                A criança que ficou
Viu que seu filho querido                   Para acabar com a briga
Morrera asfixiado.                            A metade eu lhe dou.

O que ela fez, majestade,                 -Partindo a criança ao meio
Foi horrível, ó meu Deus!                  Com certeza irá morrer!
Trocou meu filho querido                   (A mãe verdfadeira disse)
Pelo dela que morreu.                       Não deve isso fazer
Pegolu o seu filho morto                    Deixe a criança com ela
E o pôs no lugar do meu                    Deixe meu filho viver.

Quando acordei de manhã                   Com a cruel decisão
Pra de meu filho cuidar,                      A outra pouco importava.
Dei o peito para ele                           Enquanto que a primeira
Para o amamentar.                            De tristeza e dor chorava.
Como ele não mamava                        Foi aí que o veredicto
Fui então averiguar.                           O sábio rei anunciava:

Aquela criança morta                         - Dai o filho a primeira
Não era o filho meu.                          Pois é a mãe verdadeira,
Meu coração ficou triste                    Que muito amor demonstrou
Com o que aconteceu.                       Assim o rei Salomão
Pedi-lhe que devolvesse                     Solucionou a questão
O filho que Deus me deu.                    E a briga terminou.

A tristeza é muito grande,                   E todo o Israel encheu-se
Não sei mais o que fazer.                    De temor e alegria,
Já implorei para ela                            Pois jamais se viu na terra
O meu filho devolver,                         Tamanha sabedoria!
Mas, ela não quer, senhor,                  É que Deus com ele estava
O meu pedido atender.                       Dia e noite, noite e dia

                                                Antôniio Oliveira  Paraibuna SP
                                                   folhetim2007@gmail.com



Antônio Oliveira
Enviado por Antônio Oliveira em 26/09/2007
Reeditado em 11/01/2008
Código do texto: T669766
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Antônio Oliveira
São Paulo - São Paulo - Brasil, 72 anos
702 textos (560624 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/08/17 22:56)
Antônio Oliveira