CapaCadastroTextosÁudiosAutoresMuralEscrivaninhaAjuda



Texto

Desemprego e a Falta de Moradia - Uma Abordagem Bíblica


Deus não está indiferente quanto às necessidades básicas do ser humano. O que precisamos fazer, a princípio, é priorizá-Lo em tudo. O mundo passa por transformações profundas, e apesar de todo avanço tecnológico, muitos, ainda, carecem de suas necessidades mais elementares, e só quando Deus é colocado como prioridade na vida do indivíduo e muita determinação, as coisas começam a concorrer para serem solucionadas.

Discorrer sobre o desemprego e a falta  de moradia em uma perspectiva bíblica é trabalhar com as consequências que estes fenômenos sociais acarretam para o indivíduo, em particular, e para a família, como célula da sociedade. Por que com as consequências? Porque não é consistente afirmar que se alguém está desempregado ou não tem uma moradia é porque este alguém não crê em Deus ou porque Deus se esqueceu dele. Ora, o desemprego e a falta de moradia é um mal social de âmbito mundial. São vários os fatores que podemos arrolar como causa do desemprego e falta de moradia, porém, destacamos alguns para que possamos pensar juntos, pois, são os mais evidentes, e deixemos que o Espírito Santo nos motive para a ação, pois, se sabemos que determinada coisa precisa ser feita, e cruzamos os braços, isto também é pecado.

A economia do mundo está globalizada, aliás, não só a economia, mas todos os setores da sociedade é influenciado direta ou indiretamente pela globalização, isto é fato. A crise que afeta um país gera consequências em outros, e o desemprego aumenta em função destas crises. Devemos levar em consideração que o desemprego é fruto de uma injusta distribuição de riquezas,e, não podemos nos esquecer que, também, a corrupção tranca o progresso do país, gerando injustiça social e o sub-emprego.

Outro causa importante do desemprego é a alta tecnologia. Parece contraditório, mas não é, pois, numa sociedade competitiva como atualmente é a sociedade contemporânea, exige-se do indivíduo uma capacitação profissional de alto nível. O mercado de trabalho não está em busca dos bons, mas dos melhores.

O Brasil tem sido conhecido como o país dos "sem": sem terra; sem teto; sem camisa; sem chinelo; sem emprego; sem moradia; sem paz e sem esperança. É claro que muita coisa tem sido feita. Apesar de toda burocracia, o governo tem tentado minimizar a situação e o sofrimento dos chamados "excluídos". As "ONGS" tem se empenhado em fazer sua parte, e tem contribuído grandemente para suprir o vácuo deixado pelo governo. A comunidade cívil e religiosa tem trabalhado para solucionar os problemas extremos da população menos favorecida. Entretanto, o problema do desemprego e da falta de moradia persiste, gerando crises sociais terríveis, tais como:

a) - Desarmonia no lar - A família é um projeto de Deus. É a base de qualquer estrutura social ou religiosa. O trabalho é fundamental para manter a estrutura do lar. Quando este falta, o lar tende ao desequilíbrio e a desarmonia. Não há laços afetivos que resistam por muito tempo ao desemprego. Todo planejamento familiar desmorona quando o desemprego bate à porta. Desde o começo Deus deu o trabalho como elemento dignificador do homem: "O Senhor Deus tomou o homem, e o pôs no Jardim do Éden para o lavrar e o guardar"(Gên. 2:15). No Evangelho de Mateus, 12:25, encontramos as seguintes palavras do Senhor Jesus Cristo:"Todo reino dividido contra si mesmo acabará em ruína, e toda cidade, ou casa, dividida contra si mesma, não subsistirá". Uma verdade sob todos os aspectos. Em nossa abordagem podemos afirmar, sem medo de errar, que o desemprego tem destruído a harmonia de grande número de famílias, gerando crises violentas e até, em muitos casos, a separação de casais de uma forma definitiva, gerando...

b) - Crise social - A sociedade é contagiada pela enfermidade que ataca as famílias. E podemos afirmar que o Brasil corre o perigo de enfermar por completo, porque muitas de suas famílias estão sofrendo deste mal social que é o desemprego e falta de moradia. O Salmo 42:7 diz: "Um abismo chama outro abismo". Esta é uma perceptível realidade. O desemprego e a falta de moradia tem desmoronado famílias e mais famílias, gerando crises, causando separações e destruindo a paz no lar.

Qual é a perspectiva bíblica para uma situação drástica como esta? As Palavras do Senhor Jesus em Mat.6.34: "Basta a cada dia o seu mal", nos ensina que não devemos negar as dificuldades, não podemos negar a realidade do "dia mau", do qual o apóstolo Paulo se refere em Efésios capítulo 6:13, "no mundo passaremos por aflições e tribulações", os problemas devem ser encarados com ânimo e disposição. Por outro lado, não devemos jogar toda responsabilidade em cima de Deus e cruzar os braços, pelo contrário, Deus faz a parte dele, e o homem a sua. Deus trabalha no impossível dos homens. As necessidades básicas inerentes a todo ser humano é de conhecimento de Deus, Ele sabe de cada detalhe sobre o que precisamos, não há necessidade de desespero diante das dificuldades da vida, porque há uma promessa de que Deus suprirá todas as nossas necessidades, Ele requer de cada filho seu esta confiança, porém não é uma confiança apenas contemplativa e nem conformista, porque a promessa de que Deus  suprirá tudo que precisamos está condicionada à ação de buscá-Lo em primeiro lugar. Após criar o homem e instituir a família, Deus deu-lhe o trabalho, isto é, foi Deus quem criou o trabalho e ordenou ao homem que pegasse no arado. Vemos que a medida que Deus vai revelando seu propósito para o bem estar do homem, Ele incluí a família e o trabalho.
Vivemos numa sociedade onde Deus fica à parte da solução do problema do homem, posição contrária aos ensinamentos da Palavra de Deus, que nos orienta a buscar a Deus em primeiro lugar e confiar na sua justiça,pois, "todas estas coisas nos serão acrescentadas".


Paulo Cezar Santos
Enviado por Paulo Cezar Santos em 27/10/2007
Código do texto: T712057

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Comentários

Sobre o autor
Paulo Cezar Santos
Aracaju - Sergipe - Brasil, 57 anos
109 textos (13341 leituras)
2 e-livros (67 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 29/08/14 08:59)