Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O TRIGO E A CIZÂNIA (Prosa e Versos)

Texto extraido do livro "HISTÓRIAS DA BÍBLIA EM PROSA E VERSOS" ainda não editado.

O INIMIGO DO REINO:- Jesus contou à multidão mais uma parábola que assim dizia:
“O Reino do Céu é como o homem que semeou boa semente no seu campo
A noite, quando todos dormiam, veio o inimigo dele,  semeou joio no meio do trigo, e foi embora. Quando o trigo cresceu e as espigas começaram a se formar, apareceu também o joio.
Os empregados foram procurar o dono e lhe disseram:
— Senhor, não semeaste boa semente no teu campo? Donde veio então o joio?
O dono respondeu: Foi algum inimigo que fez isso. Os empregados lhes perguntaram: Queres que arranquemos o joio: O dono respondeu: — Não. Pode acontecer que, arrancando o joio, vocês arranquem também o trigo. Deixem crescer um e o outro até a colheita. E no tempo da colheita direi aos ceifadores: arranquem primeiro o joio e o amarrem em feixe para ser queimado.
Depois recolham o trigo no meu celeiro!”
                                                             Mt 13,24-30

                               O TRIGO E A CIZÂNIA

Certo dia um lavrador                       O campo de trigo é o mundo.
— Assim o Senhor falou —                 A boa semente, amigoss,
Que boa semente apenas                  São aqueles que um dia
Em seu campo semeou.                     Por Deus foram escolhidos.

Mas, na calada da noite,                   A cisânia são os filhos
Apareceu o inimigo                           Do espírito do Mal
E a cizânia semeou,                          Semeada pelo diabo
Na sua roça de trigo.                        Bem no meio do trigal.

Começou a brotar o trigo                   Mas no tempo da colheita.
E a cizânia também.                          Tempo bom, tempo fecundo,
Assim germinaram juntos                    (Escuite bem o que digo)
Tal como o Mal e o Bem.                    Chegará ao fim do mundo.

Os empregados queriam                     Então os anjos de Deus,
A todo custo arrancar                       Com seu poder celestial
Aquela erva daninha                          Virão fazer a colheita,
Que começaram a brotar                    Separando o Bem do Mal.

O patrão, porém, lhe disse                  A cizânia atada em feixes,
Que a deixassem crescer                    Por certo será queimada.
Que esperassem um pouco mais           E a cinza, soprada ao vento
Até o trigo florescer                           Pra longe será levada.

Se arrancassem a cizânia,                   Assim o Filho do Homem,
Correriam o perigo                              Com poder e majestade,
De, junto com a erva má,                    Enviará os seus anjos
Arrancar também o trigo.                     Pra castigar a cidade.

Quando chegasse o tempo                   Escandalosos, iníquos,
De colher a plantação                         No fogo serão lançados,
Aí eles poderiam                                 Porque buscaram a maldade,
Fazer a separação.                             Amaram mais o pecado.

Colheriam a cizânia                             Aí eles chorarão
Pra queimá-la no terreiro.                     E rangerão os seus dentes.
Recolheriam o trigo                             Será este o eterno fim
Para dentro de celeiro.                        Daqueles que são descrentes.

Chegando em casa,  a Jesus                Resplandecerão os justos
Os discípulos pediram                          Como o sol na terenidade,
Que desse uma explicação                   Porque fugiram do Mal,
Da parábola que ouviram.                    Desprezando ainiquidade
                                                      E viverão suasa vidas
O que semeia a semente                      No amor e na caridade!
— Assim Jesus começou —
É o próprio Filho do Homem                 Autor:- Sebastião Gomes de
Que um dia se encarnou.                             Oliveira (Paraibuna SP)
Antônio Oliveira
Enviado por Antônio Oliveira em 15/11/2007
Código do texto: T738776
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Antônio Oliveira
São Paulo - São Paulo - Brasil, 72 anos
702 textos (561383 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/10/17 07:05)
Antônio Oliveira