Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

No parapeito da ponte...
 
É noite, preciso ir embora. Essa chuva que não passa... Ainda devo atravessar essa ponte. 
- Ei, aonde vai com tanta pressa, amigo?
- Rapaz, pra casa. Mas essa chuva...
- Vamos nos abrigar naquela parte do parapeito, ali é coberto.
- Boa ideia. Quem é o amigo?
- Difícil responder essa pergunta, talvez aquele que nunca deveria ter sido.
- Boa resposta! Ao menos foi sincero, isso é raro nesses dias. Meu nome é Humberto.
- Não me soa estranho. Sabe, ando um pouco cansado, como se estivesse incumbido de uma tarefa que nunca se acaba.
- Pra falar a verdade, quem não está? Creio que até mesmo, Ele (apontando para cima).
- Acho que você está certo. Mas, gostaria de lhe fazer uma pergunta: Se estivesse diante do dito "Todo Poderoso". O que pediria?
- Poderia pedir um monte de coisas, como enriquecer, ter todas as mulheres que desejasse, sucesso para meus filhos. Mas sinceramente, não pediria nada.
- Nada? Para ser franco, não entendo.
- É amigo, nada! Percebo o mundo como uma ilusão, a própria vida... Há uma busca de finalidade, proposições humanas, religiosas e filosóficas. Mas talvez, não haja finalidade. 
- Brilhante exposição, gostei mesmo. Talvez seja esse o prisma, quem sabe?
- Talvez sim! Mas, voltando ao pedido que poderia ser feito, o que você pediria amigo?
- Bem, um pouco de paz, fraternidade na Terra, o fim da desigualdade, coisas assim. Vejo a humanidade por demais, auto suficiente.
- Isso é bonito, porém, utópico. A humanidade não quer isso, a humanidade quer poder.
- Um poder além do poder. Ninguém pode certas coisas, nem mesmo Ele, todas as coisas são como são, deveria haver uma compreensão maior disso. Mas, não! A obsessão por mais e mais é infinda, o ser humano quer ir além da Criação. Não há o que fazer, não há como fazer, talvez nem o que esperar, a vida tornou-se um jogo de dados, rolando dentro do nada...
- A chuva como que por mágica está passando, foi bom conversar contigo. Podemos marcar um chopp, quem sabe?
- Sim, podemos.
- A propósito, como se chama?
- Desnecessário dizer, falamos bastante de mim durante o temporal.
- Como disse? Ei, volte aqui...
Marco Rocca
Enviado por Marco Rocca em 20/11/2015
Reeditado em 10/02/2016
Código do texto: T5455594
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Marco Aurélio Rodrigues Casado). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Marco Rocca
Niterói - Rio de Janeiro - Brasil, 52 anos
269 textos (30376 leituras)
9 áudios (741 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 24/09/17 00:30)
Marco Rocca