CapaCadastroTextosÁudiosAutoresMuralEscrivaninhaAjuda



Texto

MEU DEUS, O QUE FAÇO?

                 

..Há dias, na vida que a gente pensa que não vai conseguir,
que é bem melhor deixar tudo e fugir...
                                        (parte de uma música, antiga)
                     
Depois da tempestade, sempre vem a bonanza...
                                        (Provérbio chinês)

Tem dias que é necessário lembrar e em alta voz, dizer a sí mesmo: frases, ditos populares, provérbios e então não tem jeito, á não ser, se humilhar, botar a cara na privada da alma e gritar por "Deus".
De joelho ou em pé, clamando, buscando com fé.
Falar a verdade sem escolher palavras, a conjugação do verbo     não importa. Reconhecer que é nada, que nada se tem e nada podemos levar.
Abrindo o coração, sabendo, que sómente Ele nos conhece e nos pode curar,sarar a ferida restaurar nossas vidas, ou uma nova nos dar.
Então assim eu clamo:
Senhor Meu Deus e meu Pai, em nome do Senhor Jesus Cristo,  neste instante eu imploro, que me conceda perdão pelas fraquesa e falhas
tantos erros e omissão. Tenho estado longe de Ti, é verdade.
Mais jamais me esqueci que zelando por mim,  sempre Estás,  livrando-me de armadilhas e açoites,  olhando pela minha vida,  pelos passos que a cada instante em minha jornada percorro. Sei que sou fraca, pequena menor que o menor grão de areia, e quase nada em troca Lhe ofereço.
Lhe, pertenso é verdade, sou Tua desde que nem era eu, mais reconheço bem Sabes, que por vezes me esqueço e tropeço.
Neste instante em que minha'alma chora, pela incapacidade de dar aos que amo, um pouco sómente um pouco mais...
Então com humildade eu emploro: olha pra minha tenda, transpassa meu peito em chamas, se instala dentro de mim, e através deste meu grande cuidado, que nada é, se comparado ao Teu zêlo, cuida dos meus agora; daqueles que me emprestastes, porque mais Teus, antes de a mim confiar, já os eram.
Livra da alma a tristeza, conceda paz, e harmonia que a felicidade reine, no âmago do lar de cada um deles.
Como a mim ja o Fizestes.
Mais naquela tarde, fria quando a Ti, eu me entreguei e pedi Sua ajuda
falando-Lhe, da alma sómente pronunciava lágrimas, e a mim o Senhor ouviu, e me deu um novo tempo, me mostrou uma saída, a qual aos meus olhos não existia!
Agora então eu peço, olha pra eles ó Senhor, bem os conhece é fato, conceda agora, neste instante sem demora a saída da agonia, que os meus  sejam felizes, plenos de sabedoria e tantos quanto agora O buscam.

Também, aqueles que visitam neste canto, a cada amigo do Recanto, realize seu querer preenchendo o vazio, trazendo paz, saúde,  alegria e encanto!.

Amém!




 
Cida Cortes
Enviado por Cida Cortes em 27/02/2010
Reeditado em 21/01/2011
Código do texto: T2110744
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Comentários

Sobre a autora
Cida Cortes
Itanhaém - São Paulo - Brasil
187 textos (29727 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 16/09/14 20:29)