Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Oração Contemplativa

Os leprosos.

Naquela época, por onde Jesus passava, as multidões se arrastavam. Não eram só os 12 por ele eleitos. Éramos muitos e eu estava lá, no meio de todos. Parecíamos uma nuvem de gafanhotos famintos chegados do deserto. Mas, a nossa fome era outra. Era fome das palavras, das parábolas, das mensagens daquele homem encantador que nos hipnotizava com o seu carisma, a sua presença e nos desconsertava com a sua sabedoria. Ele conhecia a lei mosaica como poucos e não tinha o menor receio de confrontar os temidos homens da Lei, sacerdotes, fariseus, saduceus e tantos outros. Pois, quando falava, todos percebiam, claramente, que ele tinha autoridade para tal. Todos o amavam e era conhecido como o Mestre.

Muitos de nós tínhamos largado tudo, família, trabalho, emprego, compromissos e passamos a seguir aquele que nos tratava de forma diferente, aquele que dava valor a todos nós, aquele que nos respeitava, aquele que nos amparava, aquele que dividia conosco a sua refeição, a sua manta, aquele que nos curava de corpo e a alma, aquele que nos devolvia a dignidade que tínhamos perdido na estrada da vida, roubada pelos Herodes.

Posso garantir que foi uma escolha perfeita. Tivemos a grata oportunidade de viver e conhecer o “filho do homem”, mesmo só compreendendo tudo após a sua morte, quando, então, nossos olhos se abriram definitivamente. Com isto, todos tem muitas histórias a contar, cada uma mais magnifica que a outra. Cada uma mais profunda que a outra.

Um dia, Jesus estava indo para Jerusalém junto com os seus discípulos e todos nós atrás dele. Em cada lugar que passávamos uma experiência nova de Deus acontecia com alguém. Alguém sempre era abençoado, alguém sempre tornava-se rico pelo toque mágico de Jesus. Em uma aldeia ao sul da Samaria, ainda na estrada, encontramos com um grupo de 10 leprosos. Obviamente, todos mantinham-se afastados, pois o medo de contágio era geral. Então, os leprosos vendo que se tratava de Jesus, o grande Mestre, aquele que curava todos com amor e misericórdia, começaram a gritar e a pedir : - Jesus, tem piedade de nós. E vendo-os e sabendo do que se tratava, Jesus em sua imensa compaixão, simplesmente ordenou aos leprosos: - Ide mostrar-vos aos sacerdotes.

As pessoas com doença grave e contagiosa, como era o caso da lepra, viviam marginalizados, afastados da comunidade. Excluídos do convívio social, tinham a sua dignidade, também, roubada pela sociedade, pois eram considerados impuros. Assim sendo, a Lei dos judeus determinava àqueles que porventura ficassem curados deveriam, primeiro, dirigir-se ao Templo sagrado e apresentar a sua oferta a Deus através do sacerdote que, assim, autorizaria a pessoa a reintegrar-se na sociedade. Esta era a Lei e Jesus sempre fez questão de que fosse respeitada.

Depois que Jesus lhes ordenou que procurassem os sacerdotes, os leprosos voltaram caminhando para a aldeia e enquanto iam andando eram “purificados”. Um deles, vendo que estava curado, voltou-se imediatamente dando glória a Deus em altos brados. Atravessou a estrada sem medo e jogou-se aos pés de Jesus, beijando-o e rendendo-lhe graças. Era um samaritano. Jesus, então, comentou : - Acaso os dez não foram purificados ? E os outros nove, onde estão ? Não se achou ninguém entre eles para voltar e dar glória a Deus a não ser este estrangeiro ? E Jesus lhe disse : - Levanta-te, vai. A tua fé te salvou.

Fiquei, mais uma vez, pasmo. De boca aberta e sem fôlego. Olhos arregalados e com o corpo todo arrepiado. Todos nós tínhamos uma grande dificuldade em entender tudo aquilo. Mas quem era aquele homem ? Que poderes ele tinha ? Com que autoridade ele curava as doenças graves ? Tudo aquilo era mágica ? Ao mesmo tempo que ficávamos encantados, um grande medo nos consumia.

Fiquei intrigado com a ironia de Jesus ao perguntar onde estavam os outros nove leprosos que não voltaram para dar glória a Deus. O que será que ele queria dizer com aquilo ? Um senhor que andava junto de nós, explicou-me direitinho do que se tratava.

Gratidão !


A grande mensagem era, e a gratidão onde está ? Sim, as pessoas são abençoadas, recebem a graça de Deus, mas se esquecem de agradecer. De dizer uma simples palavra : - obrigado ! Um gesto simples, pequenino, que não dói, não tira pedaços, não custa caro, não machuca, não fere o orgulho e nem a vaidade. Um simples gesto de reconhecimento, de agradecimento, de amor, de carinho, de reciprocidade. E é tão difícil de encontrá-lo por aí.

Se nós nos esquecemos de agradecer a Deus as bênçãos que ele nos dá, que dirá, então, lembrarmos de agradecer os nossos semelhantes no dia a dia de nossas vidas. Por que será que somos assim tão duros de coração ? Por que será que somos tão ingratos ? Por que será que temos tanta dificuldade em reconhecer e demonstrar a nossa gratidão ? Por que será que temos dificuldade em demonstrar a nossa humildade ? Medo ? Arrogância ? Prepotência ? Vaidade ? Receio de perder poderes ? De perder a autoridade ? Mas, que autoridade ? A autoridade que temos, seja ela qual for, foi Deus que nos deu. Até isto devemos, exclusivamente, a ele.



Contemplação : Leia Lucas 17, 11 – 19; Lucas 5, 12 – 16;


  • Em suas orações, quanto tempo você dedica pedindo coisas a Deus ?

  • Em suas orações, quanto tempo você dedica agradecendo a Deus ?

  • Você é grato aqueles que lhe circundam ?

  • Quantas vezes você disse obrigado a Deus, hoje ?

  • Quantas vezes você disse obrigado aos seus irmãos, hoje ?




 

Leandro Cunha
Enviado por Leandro Cunha em 05/10/2007
Reeditado em 07/07/2008
Código do texto: T682136

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre o autor
Leandro Cunha
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 68 anos
596 textos (107822 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/10/17 23:22)
Leandro Cunha

Site do Escritor