Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

 

Oração Contemplativa

 

Honrar pai e mãe.

 

Jesus e seus discípulos tinham acabado de chegar a Genesaré e, rapidamente, a noticia se espalhou pelo povoado e por toda a região como se fosse um relâmpago em dia de chuva. Começava a correria, uns transportavam os doentes para pedir-lhe curas e milagres, outros queriam, apenas, tocar suas vestes, pois sabiam que ficariam curados. Nós que acompanhávamos tudo aquilo de perto, ficávamos cada vez mais impressionados. A presença e a fé da multidão era algo assustador. E mais assustador ainda era poder presenciar tudo aquilo de perto e sentir a vibração das pessoas. O “frisson” que dominava todas elas.

 

Naquela visita a Genesaré tivemos a oportunidade de assistir a duas das mais expressivas discussões entre Jesus e os fariseus. A primeira, que vamos falar nesta contemplação, nos remete a uma profunda reflexão sobre a hipocrisia e a audácia do ser humano em colocar a lei dos homens acima da Lei de Deus e transformá-la em “tradição” comunitária.

 

Os fariseus cobravam de Jesus o fato de que alguns dos seus discípulos não respeitavam a tradição judaica de lavar, cuidadosamente, as mãos antes das refeições como determinava a tradição dos antigos. Aliás, naquela época os judeus eram muito “apegados” a diversas tradições, muitas delas, ligadas ao ritual de purificação por meio da água. Jesus era manso e carinhoso com os pobres e necessitados, mas era duro, franco e provocador com todos aqueles que tinham obrigação de promover o bem estar da comunidade.

 

Jesus percebeu onde os fariseus queriam chegar e respondeu cobrando deles o fato de abandonarem um dos 10 mandamentos de Deus e passarem a respeitar a tradição dos homens. Falou Jesus, “Moisés lhes disse: - “Honra teu pai e tua mãe” e ainda: - “aquele que amaldiçoar pai ou mãe seja punido de morte”. E os judeus, por apego aos bens, passaram a adotar:- “se alguém disser ao pai ou a mãe que o auxílio que deveria receber é “qorban”, isto é, oferenda, este não precisará honrar os pais”.

 

Mais uma vez resolvi recorrer a sabedoria do senhor que sempre estava conosco e nos acompanhava nestas viagens. Eu perguntei: - mas o que significa isto, o que é qorban ? E ele, calmamente nos explicou: “- qorban, neste caso, significa quando um filho não deseja ajudar a seus pais, basta afirmar que tudo o que poderia dar-lhes "era qorban". Bens consagrados ao Templo, como oferta particular e o doador da oferta podia dispor dela para qualquer finalidade. E desta forma, deixar seus pais condenados a sofrer todas as necessidades, deixando-os ao abandono.

Esta era a “tradição” judaica da época e tinha valor acima da Lei de Deus que foi dita por Moisés conforme consta no livro Êxodo do Antigo Testamento. A lei dos homens virou tradição e passou a ser maior que a Lei de Deus.

 

Isto aconteceu há dois mil anos atrás e era restrito a comunidade judaica. Hoje, em pleno século 21 a “doença” se espalhou e no Brasil o que mais se vê são pais e mães abandonados pelos filhos, tratados com desprezo, na grande maioria jogados em asilos com péssimas condições de higiene, respeito, dignidade e o governo brasileiro não tem nenhuma política pública que ampare as pessoas na 3a idade. O desrespeito é total.

 

Na Palestina de Jesus, os fariseus escondiam-se atrás da “qorban” para fugir as suas obrigações de zelar e amparar os pais quando estes ficavam velhos. Zelosos em cumprir fielmente a Lei, não tinham o menor escrúpulo em substituí-la por uma tradição local. Quando o interesse material era maior a lei dos homens imperava mais que a Lei de Deus.

 

Os pais servem para cuidar, criar e educar os filhos quando estes são pequenos e jovens, mas os filhos quando crescem se esquecem dos pais e não pensam que um dia também ficarão velhos e poderão ser tratados da mesma forma que tratam seus pais e seus avós. Não entendem a mensagem da máxima:

 

  • não faça aos outros o que você não gostaria que fizessem a você mesmo.

     

Há sempre uma grande experiência em nossas relações com nossos pais. Resta saber se somos inteligentes o suficiente para percebê-la e compreendê-la.

 

Leia: Mt 15, 1 – 9 e Mc 7, 1 – 13

 

Meditando:

 

- Como você educa os seus filhos a respeito dos avós deles ?

- Como os seus filhos tratam os avós ?

- Como você trata os seus pais ?

- Você já “meditou” sobre a sua 3a. Idade ?

- O que você planta, hoje, sobre este assunto, junto aos seus filhos ?

- O que você seria capaz de fazer pelos seus pais ?

- O que você não seria capaz de fazer pelos seus pais ?

- O que significa a “família” para você ?

- O que significa a “família” para os seus filhos ?

- Você já conversou sobre isto, abertamente, com seus pais e seus filhos ?

Leandro Cunha
Enviado por Leandro Cunha em 17/10/2007
Reeditado em 21/07/2008
Código do texto: T698142

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre o autor
Leandro Cunha
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 68 anos
596 textos (107818 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/10/17 14:16)
Leandro Cunha

Site do Escritor