Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Apenas eu...

Hoje as coisas estão um pouco difíceis pra mim...
Sinto uma saudade imensa de meus sonhos
Um vazio paira no ar...
A tua presença pela metade, já não me basta.
Meus velhos amigos parecem cansados demais para abrirem os olhos e viverem facilmente suas vidas.
Não me sinto parte da casa onde moro.
Por vezes sinto-me uma intrusa na vida do homem que amo.
Hoje as lágrimas estão sendo inevitáveis dentro de mim...
Parece que ter estado perto do mar, me fez perceber o quanto sou vida e como preciso viver intensamente cada segundo de minha existência.
Tenho pressa...
Pressa para amar sem receios...
Pressa para ter a velha paz ao meu lado.
Tenho uma sede imensa de felicidade
De sentir meus olhos brilhando, meu corpo vibrando o tempo inteiro...
Preciso da tua mão tocando levemente minha alma...
Segure firme minhas mãos, pois possuo asas...
Preciso do Sol a iluminar a minha lucidez.
Se te pareço frágil ou triste, não creias...
Hoje o vazio entrou em silêncio, sem pedir licença...
Sei a cada dia quem sou e como quero viver a minha vida.
Conheço as formas e as cores com que pintei e pintarei minha realidade.
Amo nosso amor, o teu eu me faz feliz e completa meus sonhos de menina, de mulher.
O sentimento que possuo em teu nome, é acompanhado de respeito e orgulho; mas para possuir a forma exata que nosso querer desenhou, não depende apenas de mim...
Mesmo nos dias em que a saudade aperta forte e a vontade de me esconder aperta; não me permito fugir pela porta dos fundos.
Pois tenho um encontro marcado comigo mesma...
Sou criança forte aprendendo a caminhar, não pretendo crescer; embora muitos me cobrem isso.
"Sou pássaro novo longe do ninho" possuo asas, mas os horizontes são incertos.
Essas palavras são escritas, porque necessito ouvir e sentir com mais clareza o que está se passando aqui dentro; quem sabe estas palavras jogadas ao papel não sejam o meu porto mais seguro.
Brindemos então, ao louco maravilhoso que arriscou expressar em uma folha de papel seus sentimentos mais puros... e sem perceber se fez poesia...
Brindemos ao velho anjo que se esconde no escuro do meu quarto e vem a noite me contar lindas histórias...
Um brinde aquele palhaço de olhar triste da parede dos meus sonhos, que me ensinou tanto, sem fazer sofrer; que mostrou-me o sorriso através de suas lágrimas...
Ao grande mar, que carrega consigo tantos mistérios quanto o filho homem, mas que consegue definir-se simplesmente por sua beleza.
Hoje já é outro dia, e com certeza amanhã me encontrei mais inteira.

(escrito em 1997)
Daniela Peralles
Enviado por Daniela Peralles em 25/01/2006
Reeditado em 05/05/2006
Código do texto: T103744
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Daniela Peralles
Florianópolis - Santa Catarina - Brasil, 45 anos
69 textos (3139 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 03:56)
Daniela Peralles