Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A cegueira do entendimento


Pensávamos saber das coisas, mas, a desculpa é, simplesmente apenas pesávamos que sabia..Hoje, prefiro construir uma oração ou formar uma idéia perfeita, antes de tentar algo que não seja visível ao entendimento humano. Eu pensava acreditar fielmente em Deus, mas, quando veio a tempestade ou aprovação eu perdi a esperança e a minha fé foi abalada ou quase não restou nada dela. Hoje, eu prefiro criar a  Deus em primeiro lugar em minha imaginação e criar a mim mesmo diante do meu pensamento otimista e positivo, porque, tem um Deus maravilhoso que segurou-me em seus braços, quando fui perturbado pela serpente do umbral. Esta mesma serpente mordeu os nossos antepassados, os nossos pais, o Adão e a Eva. É essa mesma serpente que trás o cheiro da morte pra junto dos seres humanos. Ela gera uma fina camada de fumaça que escurece a nossa razão ou o nosso entendimento, ficamos alucinados ou perturbados quando há vemos através da sublimação de nossas almas. Para o homem comum o acontecido ficaria sem nenhuma explicação ou o homem comum ficaria perturbado e seria a vingança dela contra os filhos de Deus, mas, quando esse ato mágico acontece com um homem que possui uma inocência pura ou simplesmente ele tem um coração amado ou cheio de vida, como nasce a estação da primavera. Ele nasceu com a maestria. Sendo que esta maestria amadurece com o passar do tempo de vivencia, que ele passa adquirir com muita sabedoria conduzir os obstáculos que aparecem pela frente. A cegueira do entendimento é na verdade uma grande falsidade da ilusão refletida no espelho da natureza humana. É  essa falsidade da ilusão que cegamos diante dos princípios da sabedoria fundamental para estar atento ao surgimento da participação da serpente em nossas vidas.Nesse tempo que passei dentro do labirinto da morte, eu pude observar que a luz divina foi cortada e permaneci como uma criança abandonada, por aquele que desde pequeno eu julgava-me como meu herói.
Depois de ter navegado no labirinto da morte eu pude ver e sentir o pequeno Deus que eu havia criado para uma situação de emergência e daí pode analisar os seus milagres ou seus atos mágicos vindo dos céus superiores. Eu só sei que ainda que estou vivo por ser inocente e por ter um coração puro, assim, como a pureza da natureza.Eu estou no mundo, mas, o mundo não esta em mim, porque, a minha alma já comeu do alimento espiritual do grande Deus, por isso estou apenas esperando a minha hora, estou refletindo, sobre a minha vivencia e cheguei a uma conclusão, que o mundo, cheios de ambições não esta preparada para receber no teu seio os irmãos fraternais, aqueles cujo as formas foram feitas apenas uma vez. É preciso ser ambicioso e materialista para que o senhor desse mundo possa aceita-lo com seus divinos princípios. Isso é uma grande fonte de sabedoria, deve se andar neste mundo, mas, o pensamento deve estar em comunhão com o Pai Supremo. O seu passo deverá ser certeiro como um raio, que rabisca o céu formando caminhos de luzes, para as almas desencarnadas ou até mesmo encarnadas, mas, que possui uma grande intimidade com Deus. A minha alma possuía um mistério, mas, após a descida no labirinto da morte, eu vi a luz radiante, que brilhou para que eu pudesse subir os degraus da escada reluzente.
E chegasse a superfície para viver novamente a liberdade de estar vivo e poder raciocinar as idéias perfeitas.   Eu naveguei no labirinto da morte e percebi, a verdadeira solidão diante do medo tenebroso, que a minha alma sentiu, quando passou pelo vale das sombras.
A pura verdade é que no vale das sombras, você fica privado da luz, que alimenta a alma e esse tempo que a alma fica sem a luz divina, ela fica a mercê das trevas ou no fim do abismo tenebroso. Na volta, ela vê a importância de você ter criado na sua imaginação a figura de um Deus verdadeiro, porque, e nessa hora que vale a sua verdade, a sua honestidade perante o universo. Por que quando o ser é verdadeiro consigo mesmo ele o é com o universo e com Deus mais precisamente e este Deus que foi o primeiro ser limpo e que pensou no amor doado para a humanidade, ele se eternizou-, porque o amor doado para a humanidade vive para sempre, porque a humanidade não morre jamais.
Marck Sosza
Enviado por Marck Sosza em 16/04/2006
Código do texto: T140095
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Marck Sosza
Guarulhos - São Paulo - Brasil, 55 anos
149 textos (12323 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 02/12/16 22:30)