Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Protesto

Em protesto
Larguei as escadas
Fui de elevador
Escadas rolantes
Metrô

Em protesto larguei meu nome
Fui anônima
Calada
Olhos caídos
Pupila molhada
Mas senti mais raiva que dor
Por isso larguei as escadas e
Fui de elevador

Deixei as unhas crescerem
Os cabelos crescerem
Comi pouco
Dormi muito

Em protesto perdi a hora
Perdi o pudor
Uso roupas velhas
Sandálias velhas
Cara velha de ontem
Sem lavar

Maldigo em voz alta
Em público
Na escada rolante da vida
No elevador
Toda essa gente que passa
Toda essa amorfa massa
Sem amor

E de repente
Em protesto
Quem sabe
Talvez
Por que não?
Foram me achando doida
E me deram atenção

Descabelada
Maltrapilha
Sempre suada
E assim foram reparar em mim
Que coisa!
Recebi
Bom Dia
Boa Tarde
Boa Noite
Como tem passado, frio, não?

E fui me enraivecendo mais
Um dia, em protesto
Dei de olhar pruma criança
(confesso, feia como a mãe)
Disse a ela em qualquer língua:
Olhe o céu, o mar, eles estarão sempre no mesmo lugar
mas suas mãozinhas pequenas, ainda lisas, irão crescer, envelhecer e morrer, sem trocar de lugar céu ou mar.

Levei uma ou duas
Guardachuvadas
Mas me senti feliz
Bebi chá no viaduto
Vi o sonho amadurecer
E caiu do pé de tão maduro
Apodreceu na terra fofa
(Nem quis saber)


 
Laís Mussarra
Enviado por Laís Mussarra em 14/08/2006
Reeditado em 14/08/2006
Código do texto: T216229
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Laís Mussarra
Estados Unidos, 29 anos
139 textos (8285 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 14:00)
Laís Mussarra