Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Fui mãe aos 35 anos, aguardei a maturidade para exercer esse papel com mais disponibilidade para minha filha. Já não tinha a pressa, característica de nossa juventude, já tinha uma estabilidade financeira que me permitiu dedicar meu tempo com mais qualidade.
Costumo afirmar que ser mãe é o papel mais prazeroso que desempenho.
A maternidade nos fornece uma capacidade de empatia com outras mães que só as mães são capazes. Não consigo ficar imune ao ver uma mãe sofrer.
Assim sofro com as mães que perdem seus filhos para e pelas drogas, pelas balas perdidas, pelos erros médicos, pela falta de assistência médica, pelo descaso das autoridades e poderia enumerar uma lista enorme.
Sofro mais quando vejo uma mãe que perdeu seu filho vítima de alguém que deveria proteger, acolher e amar.
Sofri e sofro pela dor da Ana Carolina Oliveira na perda da sua Isabella.
Sofro pela Cristiane Marcenal pela perda de sua Joanna.
Engajei-me na luta por justiça do Caso Joanna Marcenal.
Leia a história completa no blog.
Ajude-nos a divulgar esse caso e a clamar por Justiça!




Acabo de escrever e ouço  Angélica de Chico Buarque. Será alguma coincidência?
Regina Coeli Carvalho
Enviado por Regina Coeli Carvalho em 19/10/2010
Reeditado em 21/10/2010
Código do texto: T2566509
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Regina Coeli Carvalho
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
144 textos (9744 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/10/17 18:59)
Regina Coeli Carvalho