Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

DO METRO E DO RITMO POÉTICOS...

O Ser (nada de absolutos) em um Poema se manifesta nos paradoxos (coerências/incoerências) rítmicos onde batalhas metafóricas geram infinitos conceitos. Ora, amigo, nas imagens, nos sentidos, surge a Arte. O metro pode até ser uma opção; entretanto, nada, absolutamente nada, tem a ver com ritmo. A única exigência do metro, ensina Otávio Paz, é que cada verso tenha as sílabas e os acentos requeridos. O ritmo, prossegue o grande mestre-Poeta, não é medida, mas conteúdo qualitativo e concreto. A conclusão é óbvia: “a distinção entre metro e ritmo proíbe chamar de poemas a um grande número de obras corretamente versificadas que, por pura inércia, constam como tais nos manuais de literatura”. No ritmo, a liberdade criadora, inventiva, do Poeta se manifesta. Trata-se de um fenômeno inseparável da própria linguagem. Portanto, a manipulação rítmica, a riqueza expressiva, é que fazem do verso livre um trabalho deveras complexo e desafiador. Afinal, como diz Paz, o verso livre é uma unidade rítmica.
Ary Carlos Moura Cardoso
Enviado por Ary Carlos Moura Cardoso em 08/11/2006
Código do texto: T285632
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Normal.). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Ary Carlos Moura Cardoso
Palmas - Tocantins - Brasil
1002 textos (256420 leituras)
1 áudios (293 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 20:34)
Ary Carlos Moura Cardoso