Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Em branco

Deu um branco. Completamente povoado de caos.
Essa coisa de querer encontrar respostas para
perguntas que nem foram feitas. Nem mesmo foram
pensadas. Então, não adianta muito atropelar palavras.
É preciso calma. Um respirar profundo e esperar.
O silêncio ainda abraça a minha alma. E o torpor
sufoca  a coerência. Jamais comporia uma sonata
após algumas taças. Essa hipótese é abusiva.
Preciso de uma filosofia que disseque o ser.
As linhas e as sombras. Quem sabe se escalpelando
encontre o princípio de tudo.  A genealogia  é por
demais metódica. E o ser não o é. Tem fissuras adquiridas.
Porque cai, levanta, cai e levanta, teimosamente. Graças!
Que bom que isto acontece. Demonstra que consegue
transpor e impor barreiras. Muitas vezes contra ele mesmo.
Tudo o que o ser comete, comete sozinho. Sozinho com
sua sapiência, sozinho com sua ignorância. Porque o
pensar e o não pensar são comandos. Voluntários.
Às vezes, travestidos de imaginários.
Talvez seja por isto que eu, Lua, acometa um
brilho exagerado de Sol.  E ilumine mais ainda o meu branco
povoado de caos.
Dora Leal
Enviado por Dora Leal em 09/11/2006
Código do texto: T286282

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Dôra Leal). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Dora Leal
Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil
501 textos (25411 leituras)
1 e-livros (38 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 22:42)
Dora Leal