Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Acaso leia isto. Feche os olhos e lembre de mim.

Acaso: 1.Conjunto de causas independentes entre si que,de modo imprevisível, determinam um acontecimento qualquer. Senhor esperto esse Aurélio, que definia as coisas sem mais nem menos, sem sequer se preocupar na significância de algo para as pessoas que os lerem. Acaso, hum...palavra bonita essa. Se acaso souberes entender este texto te darei um beijo, mas um beijo que nem aquele que te dei no carro, no teu colo. Só não te esqueças que dessa vez, não serás tu que sairás com lagrimas nos olhos. 2. Casualidade. Advérbio. Casualidade (?), que dicionário define uma palavra como o acaso como uma casualidade? Porra, nessa eu não posso concordar com o Aurélio. Ta, certo que o Aurélio é tri esperto, mas casualidade? Ah, o acaso é casual, acontece quando tu menos espera, por isso é acaso. É aquela coisa sem pretensão de acontecer, sem sentido, que acontece e nós achamos tri gostoso. Mas pra mim, casualidade é sinônimo de frieza, então, dessa vez eu discordo com o Sr. Dono de Todas as Palavras. 3. De modo casual; como resultado do acaso (e não de intenção); por acaso. Sim! Era isso que eu queria chegar, sem intenção, sem a mínima pretensão de acontecer. Ao acaso. Palavra bonita essa, eu repito. Estou deixando tudo ao acaso a partir de hoje. Não quero mais reclamações sobre o que vestir, o que comer, ou ao que fazer. Não se isto não te diz respeito, ou se eu não tiver uma ótima liberdade contigo pra falar sobre isso. E ahn... falar sobre isso inclui antes, varias lidas de revistas, em cima de uma cama sentadas, falando sobre as matérias da revista. Então não me venha falar que te dei liberdade por que eu raramente dou.
E ah, antes que me esqueça, tem uma frase que eu quis botar desde o inicio do texto...
Se por acaso me esqueceres que seja devagarzinho, que seja doce como um pedaço de chocolate que tu põe na boca e espera derreter, e saboreia todas as pequenas partes gostosas da coisa. Mas se por acaso quiseres saber, eu não te esqueci e nem pretendo fazer tal devassamento em meus belos sonhos, é, tu sabes. Eu realmente não sou de desistir e esquecer tais fatos cuja minha memória teme apagar. Eu gosto de ti, mesmo. E tu não fazes idéia do quanto eu espero pra poder te ter deitado do meu lado de novo. Demore o tempo que tu quiseres meu amor, eu sempre pretendo estar ao teu lado, nem que seja por pensamento. Pra poder dizer que de algum modo eu te amo e que tudo vai estar bem. Então deixo minhas palavras ao acaso, pra quem as ler pense que eu ainda tenho um pouquinho de amor nesse coração gelado, apaixonado e machucado.
Fer Bainy
Enviado por Fer Bainy em 29/11/2006
Código do texto: T305259

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Fer Bainy
Brasília - Distrito Federal - Brasil, 24 anos
59 textos (7752 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 10:07)
Fer Bainy