Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

5 de janeiro de 2007


hoje é um bom dia para morrer, ele me disse. ali, na música. lá longe. onde eu não alcanço mais.
na segunda, eu fui às compras. comprei lingeries, comprei blusas novas e uma saia rodada bonita, do jeito que você gosta(ria). comprei três batons novos, um rímel preto. um blush. eu nunca tinha comprado um blush na vida. não sozinha sabe?
eu li muito na terça. acordei e passei o dia inteiro lendo. meus três livros preferidos. nenhuma coerência, eu percebi. entre os livros, eu quero dizer. os livros em si são divertidos. eu não gosto muito de ler, já te disse isso. você não se lembra(ria), eu sei.
na quarta, eu fui ao salão. depilação. mão. pé. corte. escova. meu cabelo está comprido agora. escovado. Mas tah puxando pra um loiro que eu sei que tu ‘gosta’.
na quinta eu liguei pra minha amiga, ela hesitou, como se soubesse que eu liguei pra falar de você. tadinha me deu dó. assim que eu desliguei o telefone enxuguei uma lagrima antes que ela caísse. afinal eu já te disse que lagrimas que não caem não contam. é a regra.
(uma vez eu enxuguei uma lagrima não-caída no teu casaco. tu não deve se lembrar. tu estava me dizendo alguma coisa sobre as musicas que tocaram quando eu tava contigo e também como era bom só estar ali comigo. eu enxuguei, fiz que ia morder teu pescoço e enxuguei no teu casaco preto. tu não percebeu, eu tenho certeza.)
Hoje (sexta-feira dia 5 de janeiro de 2007) eu estou aqui, sozinha, esperando que tu voltes pra mim. Pra entrar no messenger e eu te ver online e te desejar feliz aniversário. Afinal não é sempre que eu comemoro um ano junto com um cara que eu conheci por computador, na verdade eu nunca lembrava nem do dia em que meus namoros começaram. Ou muito menos essas bobagens de aniversários. Pra mim eles não teriam sentido se não fosse pelo dia que se passa com a pessoa amada. Mas como você fugiu, com aquela garota e me deixou aqui. Eu espero. Sem querer esperar, sem querer deixar que ninguém saiba que eu te amo (ainda) e que eu ainda sinto teu abraço toda vez que eu falo com a millah algo sobre um ex que me marcou. Ah, até parece que ela não sabe de quem eu to falando né? Ela foi a melhor amiga votada nesse ano, juntando com as lagrimas que eu só chorei com ela, das risadas e das festas que uma cuidou da outra... Por isso se tu ainda sentes algo por mim, nem que seja uma pontada de raiva, de dor, ou de amor, por mais vago que seja...me liga viu. Meu celular ainda continua o mesmo, aquele rosinha gorduchinho que tu não deixou que eu usasse pra tirar fotos nossas. Mas por favor volta logo, é nosso aniversário e eu odeio passar aniversários sozinha.
Fer Bainy
Enviado por Fer Bainy em 30/11/2006
Código do texto: T305399

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Fer Bainy
Brasília - Distrito Federal - Brasil, 24 anos
59 textos (7752 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 12:03)
Fer Bainy