Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Dublê


Observo oculto, palco vazio de luz
Os atos estão na cortina fechada da memória
Ecos do silêncio reconstituem cenas mal ensaiadas
Alí, mudo, ouço-me na fala mal pronunciada
Improviso-me surpreendendo-me com efeito
Momento de risco, sou coragem fora do script
Palmas, palmas, palmas... é diáfana platéia mecanizando alegoria
Olho-me no camarim de minh´alma, sem maquiagem, sem rosto
Vejo-me sem glória vã
Não, não posso apresentar-me como sou,
se o que sou, me é desconhecido
Só o ator atua completo, persona garbo empolado,
alternando humildade com vilania
Sou Zarathustra, sou mendigo, sou figurante
Amo e odeio com intensidade de até convencer-me,
garanto assim respeito, refratário respeito admirado
Drama vibra assistência que nutre drama sanguínio
Catarse vingada, posteridade forjada
Ode aos loucos é aplaudida de pé pelos doutos alienados
Tudo é espetáculo, tudo é fama fatal e gratuita
Aclamado, hipnotizado, Fausto eternizado às multidões
Alçado ao mais alto papel, morro antes do ato final
Impassível assistência, remove o inoportuno
Reposto, teia recosturada, o espetáculo não pode parar
No melhor que me premiaram, sem o saberem,
meu dublê idolatraram
leandro Soriano
Enviado por leandro Soriano em 30/07/2005
Código do texto: T38855
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
leandro Soriano
Santos - São Paulo - Brasil, 59 anos
199 textos (8365 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 03:08)
leandro Soriano