Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Conversando com a saudade!

Sabe?! Estou com vontade de falar com você saudade! Você que vive comigo, que nunca me deixa. Você que é minha companheira e amiga! Você que me acompanha, dia, após dia, ano, após ano!
Engraçado; sempre estivemos juntas e tão pouco conversamos. Sabe? Eu não tinha tempo! Ouvia a sua voz, o seu chamado, mas não parava para dar-lhe atenção. – Por ser eu, muito ocupada! Pensaria você.
Oh, não! Não sou tão ocupada assim, que não pudesse falar-lhe. Por que então? Sim! Por que? Qual!... Eu não queria ouvir você... nem falar com você, porque você, me traz saudades de mim. Não! Não ache graça!... Você, faz com que eu sinta saudades de mim!

Você se lembra, quando eu falava com você, há muito tempo atrás... e falava dos meus sonhos e esperanças?... Lembra das queixas, que então eu fazia?... Lembra da esperança, que então eu sentia?... Lembra da alegria, que então eu trazia?... Lembra das lágrimas, que muitas vezes eu não escondia?

Sabe? Hoje não há queixas, nem esperança, nem alegria, nem lágrimas. Hoje, só existe mágoa e uma saudade muito grande! Uma saudade muito grande mesmo, de mim!
Um suspiro; um raio de luz; um sorriso; uma gota d’água a rolar pela face... tudo se perdeu no tempo! Este mesmo tempo, que continua passando indiferente! Este tempo que leva consigo, os bons e os maus momentos de cada um.

Sabe, saudade? Busco junto de você, aquele lamento que me entristeceu; aquela esperança, que qual raio de luz, penetrou pela janela aberta de minh´alma; aquele sorriso, que alegrou alguém que era triste; aquela lágrima, que deslizou sem deixar marcas!
Você sabe de todas as coisas: grandes e pequenas! Você minha saudade amiga, foi participante importante de uma história: a minha história de amor! Como você foi, é e será sempre importante! Quantas vezes você me ouviu no passado? Quantas vezes tem-me ouvido no presente? E, quantas vezes, ainda me ouvirá no futuro?

Às vezes, sabe? Gostaria de vê-la partir para bem longe e nunca mais ouvir falar de você. Gostaria de tê-la, como uma amiga querida e ausente. Bem ausente! Mas... olha, não fique triste! Muitas vezes, você é uma amiga importuna: chega quando menos se espera, sem avisar; instala-se no coração da gente, sem data para partir! Mas, mesmo assim, sabe saudade? Gosto de tê-la como amiga e companheira. Gosto de senti-la ao meu lado e saber que posso falar-lhe, quando tenho vontade.

Gosto de tê-la como acompanhante, nesta longa caminhada que é a vida. Fique comigo saudade!
Gosto de você! Ainda que você, faça com que eu sinta, saudades de mim!...

Daize Dorça- S.P., 24/11/1979.
Daize
Enviado por Daize em 23/08/2005
Código do texto: T44510
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Daize
São Paulo - São Paulo - Brasil, 76 anos
55 textos (3837 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 03:34)
Daize