Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O DIA DA NÃO-MUDANÇA


O papel me encara, como se exigisse algo de mim. Como se minha obrigação fosse preencher a folha com uma azul determinado, com letras confiantes e prontas para atravessar a carne pura, vermelha, pulsante.
 Não é fácil perceber, que pouco escrevo sobre mim. Pouco falo das metas insuperáveis, dos picos inalcançáveis, dos desejos. Sou um escravo do papel, sou caneta sem nome, sem rumo, sem rosto. O punho não guia, obedece. Submisso, tentando desenhar o ideal, a mera vontade de uma feição, de um sorriso.
 E foi assim que o dia começou, em mais uma terça-feira que me odeia.
Unilson Mangini
Enviado por Unilson Mangini em 05/09/2007
Código do texto: T640023
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Unilson Mangini
São Paulo - São Paulo - Brasil, 28 anos
111 textos (4247 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/10/17 19:34)
Unilson Mangini