Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

CONSTRUÇÃO

A palavra é o meu produto final. Escrevo por que ainda estou em construção. Escrevo por que das palavras nascem novas idéias e ideais de vida. Escrevo por que sem escrever nada sou. Escrevo para depositar todas as minhas angústias no amontoado de palavras que insisto em derramar no papel. Escrevo por que nem ao menos sei quem vou me tornar. Escrevo, apenas escrevo.

Versos, cartas, contos, crônicas, não importa, tudo é realização. Faz algum sentido? Não sei. Talvez sim, talvez não. Pouco importa. E a angústia, essa angústia que percorre as veias – mesmo que percorrer as veias seja um lugar comum entre os escritores -, vai aos poucos sendo amenizada. A palavra como antídoto é a minha arma. Agora mesmo, estou escrevendo sem me preocupar como terminarei o que comecei, mas estou utilizando minha arma. Estou tomando meu antídoto. A palavra me salva. Tantas vezes já me salvou. Quem tem o costume de traduzir e colocar no papel o vulcão que existe dentro de si sabe muito bem do que estou falando: a palavra como salvação. Será eficaz para o resto da existência? Não sei, mas enquanto ela tiver validade vou escrevendo. Derramo um pouquinho de amor numa poesia, um pouco de fantasia num conto, uma fúria numa crônica, e assim vou lidando com os demônios internos – ou seria meu próprio eu querendo sair da casca? – vou lidando com os demônios e de alguma forma os acalmo. E a cada vez que traduzo meus sentimentos para o papel, mais fortes eles ficam dentro de mim. São vulcões em erupção constante.

As palavras são o conteúdo tratável de nossos sentimentos. São como pecinhas de quebra-cabeça que vão se encaixando, se combinando, e que no fim querem dizer alguma coisa. Se não existissem palavras, como definiríamos o amor que sentimentos pelo outro? Através de gestos? Pode ser. Mas e a vontade de dizer o quanto o amamos, o quanto somos felizes por tê-lo ao nosso lado, o que faríamos com essa vontade? Por existirem palavras, dizemos, declaramos os nossos sentimentos. Extravasamos através da palavra tudo o que não cabe dentro de nós. Alguns, desprovidos da capacidade de se expressar claramente através da palavra falada, escrevem. Escrevem e se constroem. Escrevem e se conhecem. Escrevem e se expressam. Escrevem, e por isso continuam vivendo. E os que lêem, se identificam.

A palavra é o meu produto final.


São Paulo, 03 de outubro de 2007.
Bruna Pattiê
Enviado por Bruna Pattiê em 03/10/2007
Código do texto: T679129

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Cite o nome da autora - Bruna Pattiê). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Bruna Pattiê
São Paulo - São Paulo - Brasil, 35 anos
150 textos (13235 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/08/17 17:05)
Bruna Pattiê