Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Velha canção

Hoje amanheci com uma velha canção nos lábios. Nem lembro direito a letra, mas parece-me que era assim:

"Ninguém me ama, ninguém me quer
Ninguém me chama, de meu amor
A vida passa...e eu sem ninguém
Ninguém me abraça, nem me quer bem

Vim pela noite tão longa, de fracasso em fracasso
E hoje, distante de tudo, só me resta o cansaço
Cansaço da vida, cansaço de mim
Velhice chegando e eu chegando ao fim"

Nostalgicamente, analisando a melodia, percebi quão carregada de decepção é essa letra.

Senti uma infinita pena de pessoas, que como a personagem desta canção, permanecem solitárias. Que ao longo de uma vida não souberam ou não conseguiram construir raízes embasadas em afetos verdadeiros. O amor, plantado na família, nos amigos, na comunidade, é  antídoto para a depressão e para a sensação de inutilidade, que podem assolar aquele que não definiu como importantes esses valores, ao longo de uma vida.

Mas, sempre é tempo de recomeçar, como sabiamente dizia alguém: -"Hoje é o primeiro dia do resto da minha vida". Se não posso reescrever o passado, por que não escrever o futuro com cores mais vivas e brilhantes?
 
Serelepe
Enviado por Serelepe em 13/10/2007
Reeditado em 15/10/2007
Código do texto: T692793

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para a obra original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Serelepe
Curitiba - Paraná - Brasil
552 textos (36702 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/10/17 06:45)
Serelepe