Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Rola uma lágrima

          Rola uma lágrima no rosto.
          O que isso tão forte que me faz clamar pela morte?
          Nunca foi tão pesada, nunca foi tão forte.
          Cala meus sentidos, é um grito reprimido, é um desistir de mim.
          Estou em um lugar que não suporto estar, quero fpartir, mas não tenho pra onde ir. E não ter pra onde ir é tão triste.
          Pensamentos suícidas invadem minha mente todos os dias, como não sinto prazer na vida, quero matá-la.
          Por saber que meu nascimento foi um erro, sou fruto de um sentimento maldito, o qual me enoja todos os dias. Já não sei se sinto-me culpada ou injustiçada. Tanto faz, não faz diferença.
          Sinto vergonha de estar viva, de carregar em mim um DNA maldito, de ter acreditado no impossível, de estar impotente diante de mim, agora sozinha eu sou minha própria  inimiga, querendo matar-me, findando uma luta inútil.
          Por algum motivo desconhecido, Deus castigou-me desde criança com uma vida que a mim é incompreensível.Estou num abismo em que não posso ver nada, apenas sentir uma grande revolta.
          Tem dois sentimentosd pesando em mim: o ódio do mundo e a tristeza da vida, não qual é mais forte, os dois pesam toneladas.
         Rola uma lágrima e ela nunca foi tão pesada.
       
Amanda do Nascimento
Enviado por Amanda do Nascimento em 17/10/2007
Código do texto: T697694

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Amanda do Nascimento
Suzano - São Paulo - Brasil, 28 anos
133 textos (34844 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 24/10/17 00:52)
Amanda do Nascimento