Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Paraíso Artificial II



O vermelho do sangue contrastava com o branco da neve. Fria.
Eu sentia minhas veias bulirem e o veneno escorrer por entre meus lábios secos.
A dor me consumia cada vez mais, e minha tez clara, por hora,
encontrava-se pálida e anêmica.
Faltava-me ar. A paisagem sumia e as cores se difundiam em plena escuridão.
Formas se dissolviam e palavras se transformavam em ruídos indecifráveis.
Suava frio. Pisei em falso e um profundo abismo me engoliu.
Tudo era plástico. SEm vida, cor ou expressão.
Fisionomias mórbidas e melancólicas habitavam as profundezas.
Vagando solitariamente, em busca de algo invisível a olhos nus, eu
permanecia horas e horas sem saber para onde ir, o que fazer.
As coisas possuiam um brilho sintético.
Eram ocas e opacas, como a mente dos Homens.
Era um paraíso artificial, pseudo-espontâneo, planejado nos mínimos detalhes.
Um paraíso genérico e perfeccionista, feito de ilusões.
Os sentimentos eram de lona, e contradiziam suas raízes.
Não podia se sentir nada. Não existiam humanos. E não-humanos não sentem nada.
Não vivem.Não choram.Não amam verdadeiramente. É tudo prévio. Uma vida prévia.
Carne e osso de resina. Sangue era puro veneno. O veneno da luxúria, da morte.
Mas...já estávamos mortos, e não sabíamos.

.[Paraíso artificial.Sintético.Analógico.Genérico.Irreal.].

Mirabelle
Enviado por Mirabelle em 26/10/2007
Código do texto: T711433

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Cite o nome do autor e o link para a obra original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Mirabelle
Campinas - São Paulo - Brasil, 27 anos
90 textos (6651 leituras)
11 áudios (727 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/08/17 17:27)
Mirabelle