Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Lápide.

  Tenho vontade de escrever. Ao mesmo tempo, no entanto, não queria.
  Temo agora.
  Sinto que me perdi.
  O fio tenso, elástico, com nós-de-porco, desatou, rompeu minha fronte.
  Meu olhar é preto fosco e contempla, novamente, o chão concreto, árduo mestre, frio amigo.
  Estou me repetindo...
  E meu fiel companheiro, o blues, quer atonar mais uma vez.
  Mas não quero.
  Nem queria escrever, essas palavras são reflexas. Queria sublimar novamente, queria afogar novamente.
  Não quero mais renascer, renuncio meu nome.
  Algum apelido?
  Enterro minha alma tola, errônea, fracassada:
  ‘Aqui jaz um imprestável, dedicou a vida ao sentir. Entregou-se sempre e sempre foi uma jornada doída. Não houve vez em que logrou êxito.’
  Linda lápide.
  E agora?
  Sobra o homem, aquele sedento por corpos, por posições ginecológicas. Terei várias, não terei ninguém.
  Serei vários invariáveis, Gessinger.
  Várias amebas.
  Não serei ninguém.
renato barros
Enviado por renato barros em 01/11/2007
Reeditado em 05/12/2008
Código do texto: T719014

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
renato barros
Teresina - Piauí - Brasil, 32 anos
73 textos (3791 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/08/17 18:29)
renato barros