Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

DA FUNÇÃO DO POETA.



               O poeta melhor se aprimora tanto mais
               se aprofunde numa reflexão dialética
               da própria existência?
                              Obed de Faria Jr.
                                                                               

A epígrafe “obediana” nos põe, digamos, no olho da problemática, isto é, qual mesmo a grande função de um poeta? Terá ele um compromisso social? A realidade que o cerca (afora seu umbigo sentimental) ocupa que lugar naquilo que produz? Se, como defendo, o Poeta deve “desvendar” nossos problemas e denunciar as arbitrariedades (essas não poucas vezes cometidas em nome de grandes ideais) a “reflexão dialética da existência” é sim um “imperativo categórico”.

Parnasianos, românticos e simbolistas formam um capítulo à parte. Os demais evitavam o nefelibatismo. Portanto, a vida bruta, os homens concretos, os fatos, em outras palavras, o engajamento, compõem a matéria de ofício. Não é preciso dizer que o sonhar se encontra aqui incluso, afinal, nas palavras de Paulo Freire, na percepção dialética, o futuro com que sonhamos não é inexorável. Temos de fazê-lo, de produzi-lo, ou não virá da forma como mais ou menos queríamos.

Penso que a mola propulsora da imaginação criadora é, reitero, a “reflexão dialética da própria existência”. Destarte, nesta agonística, o Poeta há de se aprimorar.

No horizonte de expectativa, cabe a um Poeta, de verdade, auxiliar nessa dura empreitada rumo ao reencontro de nós mesmos, bem como na volta a um ponto de equilíbrio salutar. Por isso, Nelly Novaes Coelho nos adverte:  A literatura – uma das mais importantes “ciências da imaginação” –  poderia ser o eixo organizador de determinadas unidades de estudo – uma espécie  de “fio de Ariadne” que poderia indicar caminhos não para sairmos do “labirinto”, mas para conseguirmos transportá-lo em vias comunicantes que a compreensão do mundo exige.

Assim, tudo no fazer literário, na manipulação da linguagem artística, deve se constituir em “problemas” nos incitando a reflexões percucientes.

É deveras interessante o juízo do senso comum sobre o ato de escrever poemas. Amiúde, é visto como função catártica ou simplesmente como instrumento de refúgio. De modo que “inspiração”, comunicação com os outros e a catarse formam a trindade justificadora.

Sem a “reflexão dialética da existência”, não há novidade que se eternize num eterno renascer. Tudo acaba na primeira leitura, esgota-se, o poema, por ele mesmo, existe um enfadonho girar das palavras em torno unicamente das idiossincrasias do autor, servindo aquele como repositório de lamentações, nada mais.

As categorias “rolanbartheanas” seguintes nos põem a par de três grandes forças da literatura:  MATHESIS, MIMESIS e SEMIOSIS. Na primeira, encontramos o saber, diz o mestre, “a literatura engrena o saber no rolamento da reflexividade infinita”. Na segunda (mimesis), nos voltamos para o representar, essa representação não se dá no sutil emaranhado das ideologias (entendidas essas como fetiche, mascaramento, embuste). Ora, ainda que o objeto, de certa maneira,  seja o real, na literatura há de haver sobretudo a construção de um impulso utópico, um reino dos impossíveis. Um escritor, assegura Barthes, deve ter a teimosia do espia que se encontra na encruzilhada de todos os outros discursos. Na terceira (semiosis), nos deparamos com aquela força onde todo e qualquer signo presente no tecido literário se transforma num jogo perspicaz e heteronímico das coisas. Afinal, o Ser não passa de narrativa, narrativa essa cuja essência encontra-se exatamente naquilo que se queira dizer. Não existe signo no vazio, a carga semântica nele contida, não importa se literária ou não, é puro desejo.

Se nos voltarmos para aspectos técnicos, a história muda de figura. De minha parte, sei que um bom manual de teoria literária resolve. Pelo exposto, o que nos deve mesmo interessar é a outra dimensão, ou seja, a conteudística. Não hesito em dizer, se uma obra literária qualquer, ao ser lida, nada me acrescenta, é melhor ir para o lixo. Trata-se das mais autêntica “LIXERATURA”.

Enfim, a função maior do Poeta não é versejar. Ele tem de colocar o pé na lama deste “estar-no-mundo”. Ancorado no saber, fincado na realidade e manipulando inteligentemente os signos, ele tem a responsabilidade irrefragável de rasgar veredas à procura de forças libertárias.
Ary Carlos Moura Cardoso
Enviado por Ary Carlos Moura Cardoso em 23/12/2005
Código do texto: T89788
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Normal.). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Ary Carlos Moura Cardoso
Palmas - Tocantins - Brasil
1003 textos (256611 leituras)
1 áudios (294 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 04:34)
Ary Carlos Moura Cardoso