Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

DA ÉTICA IMBECIL.

         Sabe qual é a única obrigação que temos nesta vida?
         Não sermos imbecis.
                                                                                      Savater


A luta pertinaz a favor do que se pode chamar de “Dignidade de Vida” consiste, irrefragavelmente, na razão de ser da Ética. Seus pressupostos, portanto,  devem salvaguardar a dimensão sábia da existência. Nada de devaneios, fora com abstrações alienantes. A nossa época, nas palavras de Carneiro Leão,  dá um espetáculo de cumplicidade com o absurdo ético e de incoerência no campo dos valores.

Se existe, a meu juízo, uma expressão capaz de sintetizar, ao menos em parte,  as éticas em vigência, na certa será  “ética imbecil”.

O vocábulo imbecil é mais sério e profundo do que alguns possam supor. Vem do latim “baculos”, que significa bastão, bengala. Ora, quem, assim, é um imbecil? Sem a menor sombra de dúvida, é aquele que só sabe andar se houver uma espécie de “bengalinha”. O imbecil, afirma Savater, não é manco dos pés, mas do pensamento. Fracote e manquitela é seu espírito.

Dentre alguns tipos, apresento-lhe os seguintes: 1) Os que atravessam a vida em permanente estado de cochilo – a filosofia básica desse grupo se resume no eslógão: “tudo dá na mesma”. 2) Temos os imbecis tresloucados – para esses, o que importa é terem tudo ao mesmo tempo, isto é, “mastigar alho e dar beijos sublimes”. 3) Existem também os imbecis que não sabem aonde vão – é aquela turma dos conformistas sem reflexão ou rebeldes sem causa. 4) Um dos piores tipos, classifico como imbecil pusilânime – é aquele sujeito que sempre acaba fazendo o que não quer em virtude do medo. Ele até pode saber o que quer e o porquê, mas o seu querer não é sólido, não é seguro, é, pois, um quer frouxo, covarde. 5) Finalmente, há aqueles que não vacilam, ou seja, sabem o que querem; todavia, estão redondamente enganados sobre a realidade. Não é à-toa que se arrastam de fracasso em fracassso.

A ética, portanto, dessa gente busca sua razão de ser em algo estranho, alheio ao universo íntimo de cada um. Os acontecimentos são externos. No fundo, “nada têm a ver com liberdade e a reflexão propriamente ditas”. É a ética das muletas, das bengalas, é a ética imbecil. Não, não vale a pena.
Ary Carlos Moura Cardoso
Enviado por Ary Carlos Moura Cardoso em 27/12/2005
Código do texto: T91032
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Normal.). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Ary Carlos Moura Cardoso
Palmas - Tocantins - Brasil
1005 textos (256676 leituras)
1 áudios (294 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 00:28)
Ary Carlos Moura Cardoso