Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

QUANDO AS ALMAS SÃO GÊMEAS-POEMA

Quando eu me perco em saudades inexplicáveis (Sublimes saudades
do inconsciente),ao cair da tarde, com o frio do inverno machu-
cando meu corpo, vem a angustia diante da falsa lembrança,e recor-
ro a música, as suaves notas de uma música qualquer, desde que, uma música qualquer que me comova (vejo-a em meus sonhos e a tal lembrança me comove). Eu fico quieto, para que o silêncio me ensine a ver além da dor, essa distância que faz doer meus pensamentos).Quando sinto a força contrária da dúvida, contemplo o oceano,e vejo as ondas alojarem-se nas pedras e não procuro a beleza,porque o medo me engana, volto ao silêncio, para que eu aprenda ver, a beleza que se mostra aos meus olhos. Quando a notas dos ventos assobiam nas folhas das árvores e me repreendem pela minha inércia diante da morte,eu me curvo como as árvores frente a força dos ventos, e procuro entre a folhas caídas uma poesia que me contente.Quando juntos sonhamos a primavera, e sinto as quadra rimadas, os versos livres da paixão, me vejo nascendo de novo,nos mesmos olhares disfarçados, nos corações aflitos, nas mentiras passageiras, e me vem apenas a vontade oculta nos desejos  e nas letras que fizemos juntos. Nós dois e o futuro, acreditando que na verdade somos um, sempre,somos uma única poesia.
Jose Carlos Cavalcante
Enviado por Jose Carlos Cavalcante em 08/04/2005
Reeditado em 08/04/2005
Código do texto: T10315
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Jose Carlos Cavalcante
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 56 anos
730 textos (54065 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 16:39)
Jose Carlos Cavalcante