Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Reflexo

Não são raras as vezes em que me vejo em você
Serão as facetas da consciência que apontam
minhas caretas, incoerências, reminiscências?
 
Nada sei de mim. Sou mutável.
Nada possuo que não seja descartável.
O tempo me impele para o abstrato
de um poço cavado sem aberturas.
Seria um sentimento suportável?
 
Apague-me em você. Não quero me
sentir disforme através de suas formas.
Nem quero sentir o quão sou vulnerável!
Não deixe cheiros, nem marcas, nem sonhos
Devolva-me a imagem límpida para que eu possa
entrar com minhas angústias, minha alegria,
meu senão, meus porquês.
 
Não seja o meu espelho respingado de passado,
onde as ferrugens levaram o melhor de mim.
Não se sobreponha à minha imagem!
Nem me aponte os erros. Sou tão frágil.
Um demônio desejando ser querubim.

Não coloque sombras nos meus olhos.
Nem invente risos que não dei.
Porque quando minha lágrima cai
leva consigo o amor que sempre sonhei.
Dora Leal
Enviado por Dora Leal em 02/01/2005
Código do texto: T1045

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Dôra Leal). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Dora Leal
Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil
501 textos (25402 leituras)
1 e-livros (38 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 09:15)
Dora Leal