Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

FIRA

Fira a boca maldita, desdita,
que beija esse beijo profanado, danado,
estalado na testa com gosto e cheiro de traição,
vede hermeticamente a fresta onde escorre espuriamente
o fel misturado com mel,
que corroe a frágil carne animal;
Fira o duro coração que só destila  veneno,
escondendo um furacão num ventinho ameno;
Fira a mão macia do pecado
que contamina com  toque venoso
mancha, escurece a alma, realça
com nódoas de mágoas e rancor,
eis o fino trato do corpo libidinoso do horror;
Fira, rasgue o peito em sangria
deixe a doce palavra  da hipocrisia
esvair-se pouco a pouco,
até perder-se no valo da podridão;
Fira a desenfreada paixão,
acorrentando o selvagem desejo louco,
apague a chama que chama, conclama e desama;
Fira a dor, amordace o desamor,
dê um nó na inconseqüência dessa sublime incoerência;
Fira a indecência , fira a cobra pérfida,
que sibila no vento espalhando tormento;
Fira o mundo se preciso for,
só não fique mudo, passivo,
esqueça tudo que te fez infeliz,
seja o próprio autor,
teu passado já não diz,
venha pra luz que reluz;
Fira a redoma que te prende ao chão,
liberdade afinal,
voe livre do mal.

ANDRADE JORGE
DIREITOS AUTORAIS REGISTRADOS
17/10/05
ANDRADE JORGE
Enviado por ANDRADE JORGE em 31/01/2006
Reeditado em 12/03/2007
Código do texto: T106514

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
ANDRADE JORGE
Jundiaí - São Paulo - Brasil
1027 textos (89991 leituras)
26 áudios (1819 audições)
2 e-livros (330 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 06:27)
ANDRADE JORGE