Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

VELHAS IMAGENS


 
a prisão é o ombro aconchegante
recebendo o peso da cabeça voluntariamente
a palavra tranquilizadora dos ocasos
a luz da vela iluminando os sótãos
revelando a nitidez dos contornos das sombras
e descodificando os títulos dos livros empoeirados
 
a liberdade corre pelos vales
bate asas nas tardes de caça nas penas
suadas das codornizes condenadas à morte
e espelha-se nos lagos das estampas escondidas
por detrás dos armários vazios das casas
disfarçando a solidão que as atormenta
 
o prisioneiro acalenta acordar na manhã seguinte
com as mãos agitando o ar e o corpo vertical
vendo-se a passear na ausência do silêncio da cela
e sonha deitar-se na areia de uma praia distante
escutando o mar acariciando a dureza do calhau
pintando o horizonte com a cor dos olhos da amada
 
no seu imaginário cinzento as velhas imagens
reinventam em torvelinho desconhecidas paisagens
sem se lembrar de mais nada
 
 
José António Gonçalves
 
(inédito.17/10/99)

 
JAG
Enviado por JAG em 05/02/2006
Código do texto: T108232
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
JAG
Portugal, 62 anos
117 textos (41779 leituras)
4 áudios (187 audições)
1 e-livros (28 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 16:31)
JAG