Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A REBOLOSA JUREMA AZEVICHE


Jurema Azeviche,
com alma e pele de Otelo,
orgulhosa dos requebros da bunda
em meio ao povo, em meio a multidão
passava desapercebida, passava gente
pelos brancos, pelos mestiços, pelos negros
qual a mistura de raças da terra onde o sol amorena.

Jurema Azeviche,
sensualidade de Eurídice,
ostenta feitura de cabeça aos santos
sem madeixas pixains, turbante e sonho
derramando nas costas com água-de-cheiro
pelos poucos, pelos muitos, pelos encantados
erês infantis iniciados sem a roupa pagã desmedida.

Jurema Azeviche
tinha tudo para não rir branco.
Com pouco tempo de vida: inanição.
Com algum de consciência: separação.
Com muitos de brinquedos na rua: desilusão.
 
Jurema Azeviche
teve tudo para negar sua raça.
Quase puta da antiga casa grande
Quase estrangeira de cabelos maga-hair
Quase nua dos olhares curiosos aos quartos.

Apesar de tudo,
Jurema Azeviche guarda os peitos pequenos para a blusa,
Jurema Azeviche só entrega sua boceta chupeta para o ardor.
Jurema Azeviche deitada se cobre sem saudade da nudez tão rara.
... e se escancara lambida
quando o suor escorre pela fonte.
... e se veste no pudor sem-vergonha
quando debruçada aos poucos homens.

E o curió-cantador
contou para a canária-da-terra
histórias de Jurema, orgulhoso do Brasil!

Djalma Filho
Enviado por Djalma Filho em 11/04/2005
Código do texto: T10855
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Djalma Filho http://www.recantodasletras.com.br/autor.php?id=686). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Djalma Filho
Salvador - Bahia - Brasil
658 textos (19516 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 02/12/16 20:33)
Djalma Filho